Disciplina: Geografia

Série/Ano: 6ª série/7º ano

Vol/Bim: Vol 1/2ºBm

CADERNO DO ALUNO

Situação de Aprendizagem (Número/título)

Sequência Didática

Recursos audiovisuais e/ou de TIs  sugeridos no caderno

Recursos audiovisuais e/ou de TIs sugeridos pelo PCNP

Interfaces interdisciplinares / Temas trasnsversais

Situação de Aprendizagem 5 – Agrupamento Regional das Unidades Federadas

Competências e habilidades: extrair e analisar informações a partir de mapas e tabelas; elaborar e interpretar mapas temáticos.

 

Etapa prévia – Sondagem inicial e sensibilização

Como primeiro passo para iniciar o trabalho sobre as diferenciações regionais no território brasileiro, sugerimos que os alunos tenham contato com o mapeamento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) dos municípios brasileiros, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O professor pode informar aos alunos que essa metodologia difundiu-se por todo o mundo e é utilizada em estudos das disparidades internas em mais de cem países. É importante lembrar que há diferenças entre o IDH e o IDHM, apesar de ser inspirado e seguir as três principais dimensões do  Desenvolvimento Humano, o IDHM usa outros indicadores em sua composição, portanto, não pode ser comparado com o IDH dos países. Com o exercício proposto a seguir, que utiliza o IDHM, a turma poderá analisar os contrastes existentes no interior do território brasileiro.

 

Leitura e análise de mapa

Apresentando aos alunos os mapas das Figuras 17 e 18, o professor poderá indagar a turma a respeito de aspectos do IDHM brasileiro, conforme o roteiro indicado no material. Se necessário, sugerimos que o professor visite a página do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br> (acesso em: 3 out. 2013), que apresenta o IDH de 5 565 municípios brasileiros.1. Considerando a sequência de mapas, comente a evolução do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal no Brasil de 2000 a 2010. 2. Considerando o mapa do IDHM 2010 (Figura 18), é possível afirmar que persistem desigualdades regionais no Brasil? Justifique sua resposta.

 

Etapa 1 – Mapas temáticos de desigualdade social

Após a análise do trabalho de mapeamento do PNUD pela turma, os alunos poderão ser incentivados a criar a sua própria divisão regional do país, com base no exame estatístico e em estudos cartográficos. Para isso, selecionamos dois indicadores bastante sensíveis à condição de vida das famílias brasileiras, elaborados a partir de dados do IBGE e do Datasus.

 

Leitura e análise de tabela e mapa

1. Os alunos deverão analisar a tabela que apresenta a taxa de mortalidade infantil (menores de 1 ano) no Brasil em 2010, presente no Caderno do Aluno. Em seguida, deverão fazer as seguintes atividades: a) Em sua opinião, por que a taxa de mortalidade infantil pode ser usada como indicador de qualidade de vida da população? b) Em seguida, sugerimos que os alunos, a partir dos dados da coluna “Situação” (Quadro 2), elaborem um mapa temático. c) Após a elaboração do mapa, oriente os alunos a escrever um texto sobre a situação do Brasil em relação à taxa de mortalidade infantil em 2010, destacando as unidades federadas e as regiões com as maiores e as menores taxas de mortalidade infantil.

2. Agora, o próximo passo é desafiar a turma a estabelecer o seu próprio agrupamento. a) Para isso, sugerimos que o professor analise com os alunos os dados da tabela do Quadro 3, relativos à taxa de analfabetismo em 2010. Apresente a eles as quatro classes descritas a seguir, elaboradas a partir do método do diagrama de dispersão. Com o intervalo das quatro classes, os alunos deverão completar a coluna “Situação” no Caderno do Aluno. Boa: índice de 3,59 a 4,39; Regular: índice de 6,13 a 12,85; Ruim: índice de 16,21 a 18,19; Péssima: índice de 20,44 a 23,64. Enquanto a turma desenvolve a atividade, o professor poderá observar se há alunos com dificuldades. O importante é que se perceba que o estabelecimento de intervalos entre dados distribuídos numa sequência resulta numa visão aproximada da realidade. b) Da mesma forma que na atividade anterior, oriente os alunos a produzir um mapa temático utilizando o mapa mudo do Caderno do Aluno, o que facilitará a comparação entre os resultados. c) Após a elaboração do mapa, os alunos deverão indicar quais são as unidades federadas brasileiras com as melhores e as piores taxas de analfabetismo no Brasil.

 

Etapa 2 – Comparando as representações cartográficas

 

Leitura e análise de tabela e mapa

3. Na sequência, os alunos deverão comparar as representações cartográficas por eles elaboradas, e você poderá auxiliá-los na interpretação dos dados. Essa discussão para comparação das situações das unidades federadas nas diferentes taxas é fundamental para que os alunos elaborem hipóteses mais generalizadas com relação à qualidade de vida nas unidades federadas/regiões.

Enquanto os alunos procuram formular suas hipóteses, o professor terá oportunidade de observar a capacidade da turma de enfrentar o desafio da divisão regional. Evidentemente, trata-se apenas de um exercício com base em dois indicadores, o que não seria suficiente para o estabelecimento de um juízo mais conclusivo. De qualquer modo, com a situação proposta, os alunos vão apresentar o uso da linguagem cartográfica e desenvolver suas habilidades de análise de dados e informações a respeito da condição de vida dos brasileiros residentes em diferentes unidades da federação.

Por fim, os alunos poderão sistematizar suas observações elaborando um texto sobre o tema: indicadores socioeconômicos brasileiros.

Atlas Geográfico;

site, disponível em:

CLIQUE AQUI (acesso em: 17 maio 2013).

IBGE teen, disponível em: CLIQUE AQUI (acesso em: 17 maio 2013).

Visite a página do Atlas do Desenvolvimento

Humano no Brasil, disponível em:

CLIQUE AQUI (acesso em: 3 out.2013)

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura.

O Brasil. Território e sociedade no início

do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

MICELI, Paulo (texto e curadoria de).

O tesouro dos mapas: a cartografia na formação

do Brasil. São Paulo: Banco Santos, 2002.

VESPÚCIO, Américo. Novo mundo: cartas

de viagens e descobertas. Porto Alegre:

LP&M, 1984.

Informações sobre unidades federativas do Brasil

TEXTO DE APOIO

Nesta teleaula, você vai ver como os navegadores, que saíram da Europa, descobriram a América e a Oceania.

CLIQUE AQUI

Videoaulas

CLIQUE AQUI

Materiais do Programa EJA no Mundo do Trabalho

CLIQUE AQUI

Teleaulas

CLIQUE AQUI

Trabalho de alunos sobre desigualdades sociais

ACESSE AQUI

Vídeo sobre o Brasil e sua posição no IDH

CLIQUE AQUI

Telecurso Ensino Fundamental

ACESSE AQUI

História

Sociologia

Matemática

Língua Portuguesa

Situação de Aprendizagem 6 – Regionalização no Tempo e no Espaço

Competências e habilidades: contextualizar as diferentes propostas de regionalização do Brasil, inferindo e julgando pontos de vista de interesse geográfico.

 

Etapa prévia – Sondagem inicial e sensibilização

Sugerimos que o professor apresente para os alunos as propostas de divisão regional do Brasil de autores de diferentes épocas (Figuras 19a e 19b).

 

Leitura e análise de mapa

A turma poderá ser desafiada a explicar quais foram os critérios utilizados pelos autores para a elaboração dos diferentes mapas. O professor também poderá chamar a atenção para as diferenças no número e na delimitação das fronteiras entre os Estados brasileiros. Como parâmetro de comparação, o professor poderá apresentar o atual mapa de divisão regional do Brasil (Figura 20), convidando os alunos a organizar um quadro comparativo tendo em vista as propostas de Élisée Reclus, Delgado de Carvalho, Conselho Técnico de Economia e Finanças e Conselho Nacional de Geografia. Os mapas e o quadro a ser completado pelos alunos estão dispostos no Caderno do Aluno. À medida que a turma for estabelecendo as relações de semelhanças e diferenças entre as divisões regionais, o professor poderá elaborar na lousa uma síntese com as respostas dos alunos, indagando-os a respeito de possíveis critérios adotados para agrupar São Paulo com os Estados do Sul do país. O mesmo poderá ser feito em relação ao Maranhão e ao Piauí, que, dependendo do critério, são inseridos no Norte ou no Nordeste. Este é um momento especial da aula. O professor poderá verificar quais são os alunos que conseguem formular hipóteses, inferindo que alguns agrupamentos privilegiam as características naturais e outros, os aspectos econômicos e sociais.

 

Etapa 1 – As regiões naturais do IBGE

O professor pode iniciar esta etapa fazendo um breve relato da trajetória de Fábio de Macedo Soares Guimarães, geógrafo e professor carioca, responsável pelo estabelecimento da primeira divisão regional oficial do Brasil, no início da década de 1940. O professor poderá orientar os alunos, conforme atividade da seção Desafio, a consultar um atlas geográfico escolar para buscar explicações climáticas, biogeográficas, geomorfológicas ou hidrográficas para: A inserção de São Paulo na região Sul; A formação da região Leste (Setentrional e Meridional) com Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe.

 

Etapa 2 – A formação do Estado do Tocantins

Esta atividade deverá ser desenvolvida no laboratório de informática da escola. Sugerimos que os alunos visitem os sites do IBGE, disponível em: <http://www.ibge.gov.br> (acesso em: 17 maio 2013), e do Ministério do Meio Ambiente, disponível em: <http://www.mma.gov. br> (acesso em: 20 maio 2013), para organizar um dossiê a respeito da formação do Tocantins, bem como suas características socioespaciais e ambientais.

 

Roteiro para pesquisa em grupo

 

1. No site do IBGE, procure na parte superior da página inicial o link “Canais” e, em seguida, selecione “Estados@”. 2. Assim que tiver visualizado o mapa do Brasil, clique em Tocantins para acessar alguns dados gerais do Estado: a) Bandeira. b) Nome da capital. c) Total de habitantes do Estado. d) Lavouras permanentes. e) Lavouras temporárias. f) Extração vegetal e silvicultura. g) Pecuária. 3. Repita o procedimento para os Estados de Goiás e Pará. Analisando as informações obtidas, discuta com seus colegas se Tocantins é mais parecido com Goiás ou com o Pará do ponto de vista das atividades econômicas. 4. Na página do Ministério do Meio Ambiente, na listagem que aparecerá na lateral esquerda, clique em “Biomas”; em seguida, selecione “Amazônia”. Na página que abrir, leia o texto. 5. Ainda na listagem da lateral esquerda da página, abaixo de “Amazônia”, selecione a opção “Mapa de Cobertura Vegetal”. Em seguida, no texto que será aberto na página, clique no link “mapa índice digital”. 6. Verifique se, do ponto de vista da cobertura vegetal, Tocantins apresenta características semelhantes às das unidades federadas da região amazônica. Se houver dificuldade em usar a sala de informática, sugerimos que os dados sejam fornecidos aos alunos, de acordo com a tabela do Quadro 5, cujos dados foram extraídos do endereço eletrônico disponível em: <http://www.ibge.gov.br/estadosat> (acesso em: 20 maio2013) e ainda, nos materiais didáticos disponíveis na escola.

 

Lição de casa

A seguir, o aluno poderá ampliar os seus conhecimentos sobre o Estado de Tocantins desenvolvendo a atividade prevista no Caderno do Aluno. Para orientar a lição de casa, o professor pode solicitar aos alunos que, com o auxílio de um atlas geográfico escolar, localizem esse Estado nos mapas do Brasil de vegetação, hidrografia e rodovias. Em seguida, que respondam às seguintes questões: 1. Do ponto de vista das características da vegetação e da hidrografia, o Tocantins é mais parecido com o Pará ou com Goiás? Quais são as características analisadas para se chegar a essa resposta? 2. O acesso ao Estado do Tocantins por rodovia pode ser feito com mais facilidade a partir de Goiás ou do Pará? 3. Qual é a importância da hidrografia para o Estado do Tocantins? Justifique sua resposta.

Atlas Geográfico; Laboratório de Informática;

IBGE, disponível em:

CLIQUE AQUI (acesso em: 17 maio 2013)

Ministério do Meio Ambiente,

disponível AQUI (acesso em: 20 maio 2013).

SITE IBGE AQUI

(acesso em: 20 maio

2013).

 

Sugestão de atividade veja:

https://docs.google.com/present/view?id=dffvb29b_38gcnvv8d4

Sugestão de vídeoaulas

CLIQUE AQUI

Vídeos - Programa EJA no Mundo do Trabalho

CLIQUE AQUI

Videoaulas

http://www.telecurso.org.br/geografia-ens-f/

História

Sociologia

Matemática

Língua Portuguesa

Situação de Aprendizagem 7 – Outras Formas de Regionalização

Competências e habilidades: analisar as transformações provocadas pelos sistemas técnicos e informacionais no processo de regionalização do país, interpretando informações extraídas de mapas.

 

Etapa prévia – Sondagem inicial e sensibilização

A população residente no Estado de São Paulo é formada por pessoas que se deslocaram de várias partes do país e do mundo. O professor poderá estimular os alunos a recuperar esses percursos de familiares, amigos e vizinhos. Com base no roteiro a seguir, é possível orientá-los a elaborar uma narrativa desses viajantes, a partir de uma pesquisa individual baseada em entrevistas. Os alunos poderão fazer as anotações referentes à sua pesquisa no Caderno do Aluno.

 

Roteiro de entrevistas

 

Quando veio morar em São Paulo? De onde veio? Por que se mudou para São Paulo? Como foi a viagem até aqui (meio de transporte e percurso)? Teve dificuldades de adaptação? Quais?

Com base nos dados levantados nas entrevistas, os alunos podem apresentar os resultados em sala de aula e ouvir as histórias coletadas pelos colegas. A discussão sobre esses relatos pretende chamar a atenção do grupo para as causas e consequências dos fluxos migratórios para São Paulo que ocorreram nas últimas décadas.

 

Lição de casa

Após essa breve exposição das entrevistas, cada aluno poderia elaborar uma carta pessoal imaginária, colocando-se na situação de algum dos entrevistados, conforme orientação apresentada na seção Lição de casa do Caderno do Aluno.

 

Etapa 1 – Complexos regionais

Em 1967, o geógrafo Pedro Pinchas Geiger lançou a proposta da divisão do território nacional em três complexos regionais (Figura 21). Sugerimos que essa proposta seja apresentada aos alunos.

 

Leitura e análise de mapa

1. No Caderno do Aluno, a turma é convidada a sintetizar as características de cada um dos complexos, respondendo às questões a seguir. a) Quais foram os complexos regionais identificados pelo autor? b) Apresente as características de cada um deles.

 

Etapa 2 – Mosaico de paisagens dos complexos.

Uma forma interessante de verificar como os alunos compreendem as características dos complexos regionais e a interação entre eles é por meio da colagem de gravuras e ilustrações de revistas e jornais. Para isso, sugerimos que eles sejam divididos em grupos para buscar recortes e confeccionar colagens que ilustrem os seguintes percursos: Soja: do Mato Grosso do Sul ao porto de Paranaguá (PR); Madeira: da Floresta Amazônica à construção civil em São Paulo; Trabalhadores rurais: de agricultores no Vale do Jequitinhonha (MG) aos canaviais de Ribeirão Preto (SP). Esta é uma grande oportunidade para o professor valorizar o trabalho coletivo. Além de reservar uma aula para os alunos apresentarem aos colegas o trabalho realizado, se possível, seria muito interessante que fosse organizada uma exposição com as colagens dos alunos.

 

Etapa 3 – A Região Concentrada

Nesta etapa, os alunos terão acesso a uma nova proposta de regionalização do Brasil, elaborada pela equipe de pesquisadores coordenada pelo professor e geógrafo Milton Santos. O mapa com essa divisão regional (Figura 22) está disponível no Caderno do Aluno. Comece informando à turma que o parâmetro definidor de tal divisão seria o grau de acumulação de ciência, tecnologia e informação pelo território nacional. Sugerimos que os alunos sejam desafiados a apresentar evidências que justifiquem essa proposição.

 

Leitura e análise de mapa

A seguir, propomos alguns exercícios sobre o mapa no Caderno do Aluno. 2. Consultando um atlas geográfico escolar, a página do IBGE na internet ou o livro didático, os alunos deverão responder às seguintes questões:

a) Quais são os dois portos marítimos mais importantes para a exportação de mercadorias do Brasil? Em qual dessas regiões estão localizados? b) Quais são os dois maiores aeroportos internacionais do país? Em qual dessas regiões estão localizados? c) Quais são os três Estados brasileiros com as maiores concentrações industriais? Em qual dessas regiões estão localizados? d) Quais cidades brasileiras possuem área de atração em todo o território nacional? Em qual dessas regiões estão localizadas? Com base nessas evidências, os alunos poderiam ser divididos em grupos para discutir as relações entre os dados observados nos mapas e o desenvolvimento científico e tecnológico. O professor poderia sugerir aos alunos uma discussão sobre como isso pode ocorrer nos setores da educação e da saúde. No Caderno do Aluno, eles deverão responder: 3. Você concorda com esse critério? Justifique sua resposta usando como exemplo as respostas da atividade anterior. Durante o desenvolvimento da atividade, o professor pode observar o desempenho do grupo, de acordo com a ficha sugerida no material.

Atlas Geográfico; Revistas; jornais; Livro Didático

GOLDENSTEIN, Léa; SEABRA, Manoel

Corrêa. Divisão territorial do trabalho e nova regionalização. Revista do Departamento

de Geografia, São Paulo, n. 1, 1980.

HAESBAERT, Rogério. O mito da

(des)territorialização. Rio de Janeiro: Bertrand

Brasil, 2004.

Formas de regionalização da Terra

Texto sobre processo histórico e Regionalização

Sugestão de videoaulas

CLIQUE AQUI

Materiais - EJA Mundo do Trabalho.

ACESSE AQUI

Teleaulas do telecurso

ACESSE AQUI

História

Sociologia

Matemática

Língua Portuguesa

Situação de Aprendizagem 8 – Visão Regional

Competências e habilidades: problematizar o arranjo territorial do Brasil, compreendendo contextos regionais representados em diferentes linguagens.

 

Etapa prévia – Sondagem inicial e sensibilização

Para motivar os alunos na aplicação de seus conhecimentos na caracterização de diferentes contextos regionais, sugerimos a análise do filme Sobral – a mulher, a árvore, o chapéu, da série Paisagens Brasileiras, produzida pela TV Educativa. Com duração de 23 minutos. Como etapa de preparação, antes do filme, sugerimos que se promova um diálogo com os alunos acerca das percepções que se podem imaginar a respeito do cotidiano das pessoas que vivem no interior do Ceará. Caso a sala de aula não tenha alunos com o perfil procurado, o professor poderá perguntar para a turma como imaginam a situação de vida dessas populações, considerando o que foi estudado no Caderno.

 

Etapa 1 – Sessão de cinema e discussão

Os alunos poderão ser orientados a registrar, durante a reprodução do vídeo, os aspectos indicados a seguir. A discussão desse roteiro poderá ser o início da próxima aula.

 

Roteiro de observação do vídeo

A que região brasileira pertence o lugar em que vive a menina? Considerem, em sua resposta, aspectos ambientais, culturais e econômicos. De acordo com o vídeo, qual é a origem de Sobral? Como ocorreu o seu desenvolvimento econômico? Descreva as condições de vida da família e a divisão de trabalho entre seus membros. Aponte semelhanças e diferenças das condições de vida e trabalho dos membros de sua família. Na aula seguinte, os alunos poderão ser orientados a discutir em grupo suas respostas individuais. Para concluir, sugerimos que o professor solicite aos representantes indicados pelo grupo a exposição das conclusões a que chegaram, indicando um outro membro da equipe para sistematizar na lousa as respostas obtidas pela turma. Como desdobramento da discussão do vídeo, os alunos ainda poderão realizar a atividade proposta no Caderno do Aluno. Consultando mapas da região Nordeste em um atlas geográfico escolar, o professor pode orientá-los a responder às seguintes questões: 1. Qual é a localização de Sobral no Estado do Ceará? 2. Com relação ao uso da terra, qual é a atividade predominante na região de Sobral? 3. Após reunirem as informações colhidas a respeito de Sobral, os alunos poderão elaborar uma redação com o tema “O cotidiano dos brasileiros que vivem em Sobral”.

 

Leitura e análise de texto e mapa

Sugerimos na sequência uma atividade utilizando “Notícias do Brasil”, de Milton Nascimento. Inicialmente, apresente aos alunos a letra da música. Em seguida, com o auxílio de um mapa, o professor poderá orientar os alunos a traçar flechas do percurso elaborado pelo autor entre os Estados brasileiros, utilizando o mapa mudo disponível no Caderno do Aluno.  Observando o desenho traçado no mapa, os alunos poderão responder às seguintes questões no Caderno do Aluno: 1. Por que o autor da letra da música diz que o povo brasileiro merece mais respeito? 2. Qual é a proposta que o autor da letra da música apresenta para diminuir as desigualdades regionais do Brasil? 3. Consultando um mapa político do Brasil, identifique em quais regiões brasileiras foi ouvida a “boa-nova”.

 

Você aprendeu?

Finalmente, no Caderno do Aluno estão disponíveis as seguintes atividades: 1. Preencha as lacunas das frases a seguir com alguma das unidades federadas do Brasil.  a) Maranhão é um Estado nordestino que possui parte de seu território na Amazônia Legal. b) Essas terras, apesar de localizadas na região Norte, já fizeram parte da região Centro-Oeste antes da formação do Estado do Tocantins. c) Minas Gerais faz parte da região Sudeste, mas a situação socioeconômica dos municípios do norte do Estado aproxima essa unidade federada da realidade nordestina. d) Das unidades federadas do Centro-Oeste brasileiro, o Distrito Federal apresenta os melhores indicadores sociais. 2. Procure explicar por que Milton Santos usou a expressão “Região Concentrada” para denominar uma das regiões de sua proposta.

Atlas Geográfico; Filme; Sobral – a mulher, a árvore, o chapéu – Série Paisagens Brasileiras TV Educativa; Música;

Sugestão de Música - Balança Brasil referente aos Estados Brasileiros

CLIQUE AQUI

Balança Brasil - Música/ Letra http://letras.terra.com.br/araketu/176255/

Sugestão de videoaulas.

CLIQUE AQUI

Materiais do Programa EJA no Mundo do Trabalho

CLIQUE AQUI

Sugestão de Teleaulas

http://www.telecurso.org.br/geografia-ens-f/

História

Sociologia

Matemática

Língua Portuguesa

Proposta de Recuperação

Propostas de situações de recuperação

Com base nas observações do desempenho dos alunos no decorrer das Situações de Aprendizagem, sugerimos que o professor identifique qual deverá ser o foco do processo de recuperação. Previmos as seguintes Situações de Recuperação:

 

Situação 1 – Para os alunos que não tiveram o desempenho esperado por falta de participação e realização das atividades propostas.

Esses alunos devem explorar os detalhes de cada um dos mapas estudados, principalmente o planisfério de Cantino, o mapa de Lopo Homem e o mapa das Cortes. O professor deverá enfatizar a necessidade de comparação cuidadosa dos mapas, identificando os principais rios que serviram como porta de entrada para o interior (como o Amazonas e o Paraná), as cidades e vilas mais antigas. Após essas atividades preparatórias, sugerimos o seguinte roteiro de Situação de Recuperação.

 

Estudo de mapas no atlas geográfico escolar

Solicite aos alunos que localizem no atlas o mapa político do Brasil, o mapa da distribuição da população e o mapa das terras indígenas. Com base na comparação desse material, peça que identifiquem os Estados brasileiros com as maiores: extensões de terras indígenas; extensões territoriais; concentrações populacionais.

 

Situação 2 – Para os alunos com dificuldade em contextualizar, inferir e julgar

Sugerimos que o foco da recuperação ocorra com exercícios de elaboração de textos. Sugerimos que a habilidade da escrita também seja exercitada na recuperação, por meio das seguintes propostas. Elaboração de texto destacando as razões que explicam as respostas do estudo dos mapas (Situação 1), considerando que a história deixa suas marcas no território. Elaboração de uma carta para algum aluno da 6a série/7o ano da cidade de Tabatinga (AM), comentando o que aprenderam na escola sobre a vida dos brasileiros que vivem nas fronteiras internacionais e perguntando a eles o que mais desejam conhecer.

 

Situação 3 – Para os alunos com dificuldade em reconhecer, constatar e identificar dados e informações.

Para esses alunos, além dos exercícios de observação de mapas da Situação 1, sugerimos a resolução das seguintes questões de múltipla escolha: 1. A foto disponível no material (Figura 23) mostra uma festa tradicional de comunidade remanescente de quilombo. Considerando a importância da riqueza cultural do país, é fundamental que manifestações como a mostrada sejam: a) eliminadas, por  envolverem tradições culturais muito antigas. b) alteradas, incorporando inovações trazidas pelos meios de comunicação. c) mantidas, para garantir a diversidade cultural do país. d) substituídas por expressões culturais mais conhecidas no país. 2. Desde o período colonial, a ocupação do território brasileiro ocorreu de modo desigual, gerando desequilíbrios entre as regiões. Sobre isso, observe o mapa sobre Ocupação do território brasileiro disponível no material.  A partir da observação do mapa, pode-se dizer que a ocupação do território brasileiro no século XVII: a) efetivou-se nas porções Sudeste e Nordeste, estendendo-se também para o interior do território. b) concentrou-se na faixa litorânea do território. c) privilegiou as áreas interiores do território. d) restringiu-se ao litoral nordeste do território.

 

Situação 4 – Leitura e interpretação de mapas temáticos

Por meio da leitura e interpretação de mapas, sugerimos que o professor propicie ao aluno o  desenvolvimento de sua capacidade de identificar dados, analisá-los e correlacioná-los. Solicite ao aluno que compare a proposta de divisão regional do IBGE de 1941 com a atual divisão regional do Brasil. Ele poderá explicar, oralmente, quais foram as mudanças na divisão política do Brasil e nas formas de agrupar as unidades federadas. Após esse exercício, o professor poderá solicitar que o aluno escreva um pequeno texto conclusivo. Tendo a atual divisão regional do Brasil em mãos, o professor poderá solicitar que o aluno folheie um atlas geográfico escolar para escolher cinco mapas temáticos que melhor caracterizem a região Sudeste. Ele deverá justificar sua escolha. Após a realização dessas atividades, solicite que o aluno responda às questões que seguem: 1. Associe a coluna da esquerda com a da direita de acordo com a sugestão do material. O “Velho Chico” é a denominação carinhosa da população ribeirinha ao Rio São Francisco, também conhecido como o “rio da integração nacional”. Observando um mapa com as bacias hidrográficas, a divisão política brasileira e a malha ferroviária, responda: a) Quais são os Estados brasileiros banhados pelo Rio São Francisco? Esses Estados fazem parte de quais regiões geográficas? b) Qual é o trecho navegável do rio? c) De que maneira esse trecho encontra-se articulado com a malha ferroviária existente no país? d) Com base nas respostas anteriores, em que medida o Vale do São Francisco pode ser considerado um importante eixo de integração regional?

 

Situação 5 – Sessão de cinema

O professor poderá reproduzir novamente o vídeo Sobral – a mulher, a árvore e o chapéu. Primeiro, o aluno deverá observar atentamente as condições de vida da família da personagem principal da história: características da moradia, maneira de se vestir, o ambiente nos arredores da casa. Com base nessas observações, os alunos poderiam ser desafiados a se imaginar naquela situação, elaborando uma pequena narrativa sobre um dia comum naquele lugar.

Sugestão de sites para o professor e para os alunos

ARQUIVO NACIONAL. Disponível AQUI

Acesso em: 17 maio 2013.

BIBLIOTECA MÁRIO DE ANDRADE. Disponível em: CLIQUE AQUI Acesso em: 17 maio 2013.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Disponível em: CLIQUE AQUI

Acesso em: 17 maio 2013.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO

NACIONAL. Disponível em: CLIQUE AQUI Acesso em: 20 maio 2013.

Sugestão de livros para o professor

ANDRADE, Manuel Correia de. A questão do território no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1995.

BELLUZZO, Ana Maria (Org.). Dossiê Brasil

dos viajantes. Revista USP, São Paulo, n. 30, 1996.

BEZZI, Meri Lourdes. Região: uma (re)visão

historiográfica – da gênese aos novos paradigmas.

Santa Maria: Editora da UFSM, 2004.

CORRÊA, Roberto Lobato. Região e organização

espacial. São Paulo: Ática, 1987.

GERARDI, Lúcia Helena de Oliveira.

Quantificação em Geografia. São Paulo: Difel,

1981.

LENCIONI, Sandra. Região e geografia.

São Paulo: Edusp, 2003.

MAGNOLI, Demétrio. O corpo da pátria.

São Paulo: Moderna/Edusp, 1997.

EM DESENVOLVIMENTO POR CLEUNICE DIAS DE OLIVEIRA - ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO EM 22/10/2014 ÀS 16h27min.

CEDIDO PELO AUTOR PARA USO EXCLUSIVAMENTE DIDÁTICO SOB RESPONSABILIDADE DOS GESTORES ESCOLARES NAS ESCOLAS ESTADUAIS JURISDICIONADAS À DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO SÃO VICENTE - PROIBIDA A REPRODUÇÃO FORA DA JURISDIÇÃO OU PARA FINS COMERCIAIS E/OU ACADÊMICOS