O sétimo gatinho

     Eram sete irmãos. Gatinhos lindos à procura de um lar. Desfilavam felizes pela vitrina à espera de uma criança que os quisesse levar para casa. As crianças não resistiam. Em pouco tempo, todos os gatinhos encontraram um lar definitivo e foram levados por crianças felizes que iriam cuidar muito bem deles.

     Todos? Não. Mimi ficou para trás. Era até mais bonito que seus irmãos. Mas, num acidente, perdeu o movimento de uma das pernas. Por isso andava de um modo muito engraçado, usando apenas as três pernas sadias. As crianças o queriam. Mas os pais diziam: ele é aleijado. Não vamos levá-lo não. Ele vai dar muito trabalho. É melhor escolher outro bichinho. E Mimi foi ficando na loja de animais, sem esperança de encontrar uma casa que fosse sua.

     O tempo passou. O dono da loja até quis dar Mimi de graça. Mas os pais sempre convenciam as crianças que um gato aleijado daria muito trabalho. Um dia, um menino mal vestido ficou olhando Mimi pelo vidro da vitrina. Não tinha dinheiro para comprar aquele gatinho de raça. Contentava-se em brincar com o bichinho de longe. Mimi ficou encantado por aquela criança de olhos grandes e tristes. O dono da loja viu a cena e decidiu dar o bichinho para o menino pobre. O sétimo gatinho, finalmente, iria ter um lar. Ao sair da loja, Mimi começou uma vida muito movimentada.

Jarbas Novelino

Mimi não precisava de riqueza para ser feliz, precisava sim de amor.

       Graça (CIEP)