ROTEIRO DA TURMA 101

MACBETH

 CRÉDITOS INICIAIS

FADE IN

CENA 1 – EXT/DIA – COVIL DAS BRUXAS

Três bruxas surgem dos cantos da tela. Dançam em círculos. Se abaixam. Riem.

PRIMEIRA BRUXA

Quando estaremos à mão com chuva, raio e trovão?

SEGUNDA BRUXA 

Depois de calma a baralha e vencida esta batalha.

TERCEIRA BRUXA 

Hoje mesmo, então, sem falha.

PRIMEIRA BRUXA

Onde?

SEGUNDA BRUXA

Da charneca ao pé.

TERCEIRA BRUXA

Para encontrarmos MacBeth.

PRIMEIRA BRUXA

Graymalkin, não faltarei.

SEGUNDA BRUXA

Paddock chama.

TERCEIRA BRUXA

Depressa!

TODAS

São iguais o belo e o feio; andemos da névoa em meio.

(Saem).

CENA 2 – EXT/DIA – CAMPO DE BATALHA

Duas linhas de frente. Homens visivelmente com raiva. As linhas avançam. Lutam. Homens caem mortos. MacBeth e Banquo se destacam porque todos os homens que os enfrentam caem sem vida. Macbeth para diante de um homem que derruba vários homens que se atravessam na sua frente. Eles se encaram. Lutam. MacBeth consegue derrubá-lo.

Som de tambor.

Surgem as três bruxas.

TERCEIRA BRUXA

Tambor! Tambor! Eis Macbeth, o vencedor!

MACBETH

Nunca vi dia assim, tão feio e belo.

BANQUO

A que distância ainda se encontra Forres? Quem são essas criaturas tão mirradas e de vestes selvagens, que habitantes não parecem da terra e, no entretanto, nela se movem? Acaso tendes vida? Sois algo a que perguntas dirijamos? Pareceis compreender-me, pois a um tempo levais os dedos ósseos a esses lábios encarquilhados. Quase vos tomara por mulheres; no entanto vossas barbas não me permitem dar-vos esse nome.

MACBETH

Respondei, se puderdes: quem sois vós?

PRIMEIRA BRUXA

Viva, viva Macbeth! Nós te saudamos, thane de Glamis!

SEGUNDA BRUXA

Viva, viva Macbeth! Nós te saudamos, thane de Cawdor!

TERCEIRA BRUXA

Viva Macbeth, que há de ser rei mais tarde!

BANQUO

Meu bondoso senhor, por que motivo vos mostrais assustado, parecendo recear o que de ouvir é assim tão belo? Em nome da verdade, imaginárias sereis realmente, ou o que mostrais por fora?

Meu nobre companheiro foi saudado com títulos, por vós, de atual valia e grande predição de haveres nobres e de real esperança, que parece deixá-lo arrebatado. Porém nada me dissestes. Se podeis ver a seara do tempo e predizer quais as sementes que hão de brotar, quais não, falai comigo, que não procuro nem receio vosso ódio ou vosso favor.

PRIMEIRA BRUXA

Salve!

SEGUNDA BRUXA

Salve!

TERCEIRA BRUXA

Salve!

PRIMEIRA BRUXA

Menor do que Macbeth, porém maior!

SEGUNDA BRUXA

Não tão feliz, mas muito mais feliz!

TERCEIRA BRUXA

Gerarás reis, embora rei não sejas! Assim, viva Macbeth e viva Banquo!

PRIMEIRA BRUXA

Viva Banquo e Macbeth! A todos, viva!

MACBETH

Um momento, oradoras imperfeitas. Falai-me mais um pouco. Pela morte de Sinel eu fiquei thane de Glamis. Mas, Cawdor, de que jeito? Vive o thane de Cawdor, gentil-homem muito próspero; e ser rei ultrapassa os horizontes da crença tanto ou mais do que ser Cawdor. Dizei de onde tirastes tão insólita notícia e por que causa nos fizestes parar nesta charneca desolada, com saudações proféticas? Intimo-vos a me falar.

(As bruxas desaparecem.)

CENA 3 – EXT/DIA – CAMPO DE BATALHA

Dois homens, Ross e Angus, se aproximam de MacBeth e Banquo.

ROSS

Macbeth, com alegria o rei as novas recebeu da vitória que obtiveste, e quando ouve falar que aventuraste tua pessoa contra esses rebeldes, põem-se nele a lutar os elogios e a admiração sobre que parte fora justo te reservar, qual a ele próprio. Se sobre isso não fala, compendiando quanto houve neste dia extraordinário, descobre-te na fila dos intrépidos noruegueses, mpávido ante as formas da morte estranhas por ti próprio criadas. Bastos como granizo, os mensageiros se sucediam, todos portadores de encômios para ti nesta grandiosa defesa de seu reino, derramando-lhe aos pés os elogios.

ANGUS

Aqui estamos para trazer-te os agradecimentos de nosso real senhor e te levarmos à sua frente,não para pagar-te.

ROSS

E como arras de uma honra de mais vulto, por ele devo te chamar de thane de Cawdor. Salve, pois, mui digno thane, por essa promoção, pois teu é o título.

BANQUO

Como! Falou o diabo, então, verdade?

CENA 4 – INT/DIA – SALA DE EXECUÇÃO

Uma mão levanta empunha um machado. O instrumento desce.

Vemos o rosto de Duncan em close.

DUNCAN

O Thane de Cawdor não existe mais. O título agora é de MacBeth.

CENA 5 – INT/DIA – CASTELO DE MACBETH

Lady MacBeth anda eufórica pelos corredores do castelo com uma carta na mão. Entra MacBeth. A mulher o abraça com vontade.

MACBETH

Duncan, meu caro amor, chega esta noite.

LADY MACBETH

E quando vai embora?

MACBETH

Amanhã mesmo, segundo pensa.

LADY MACBETH

O sol, oh! nunca, nunca verá esse amanhã. Vosso rosto, meu thane, é um livro aberto em que podemos ler coisas estranhas. Para o mundo enganardes, a aparência tomai do mundo; tende boas-vindas nas mãos, nos olhos e na própria língua; a todos parecei flor inocente, mas sede a serpe que na flor se esconde. Cuidemos do hóspede que chega, sendo que a meu cargo deveis deixar o grande negócio desta noite, que nos há de legar dias e noites de alegria, de mando soberano e de valia.

MACBETH

Depois conversaremos.

LADY MACBETH

Só te digo que a voz mudar é revelar perigo. Deixa o resto comigo.

(Saem.)

CENA 6 – INT/DIA – QUARTO DE LADY MACBETH

Lady MacBeth está sozinha no quarto. Ouvimos sons de vozes.

Ela larga a carta em cima da cama. Pega, em uma gaveta outra folha de papel.

LADY MACBETH

(Lê)

"Elas me encontraram no dia da vitória e pude verificar, pela mais exata confirmação, que são dotadas de saber mais do que humano. Quando eu ardia em desejos de continuar a interrogá-las, desfizeram-se em ar, no qual se dissiparam. Enquanto eu me encontrava tomado de estupor com o que acontecera, chegaram mensageiros do rei, que me cumprimentaram a uma voz como "Thane de Cawdor", título com que, antes, me haviam saudado as irmãs feiticeiras, referindo-se ao meu futuro por este modo: "Salve! Ainda virás a ser rei!". Pareceu-me bem comunicar-te o que se passou, companheira querida de minha grandeza, para que não viesses a perder a parte que te cabe dessa felicidade, com ignorares o futuro que te está prometido. Guarda isto no coração e adeus." 

Entra MacBeth. As bruxas rondam na volta de Lady MacBeth. Ele esfrega os olhos como se estivesse vendo uma miragem. As bruxas somem. Lady MacBeth olha para o marido com um olhar de desejo.

LADY MACBETH

(sussurra no ouvido do marido)

Duncan logo irá chegar!

MacBeth treme.

LADY MACBETH

É preciso cumprir a profecia!

MACBETH

(Enérgico, segura firme o braço da mulher)

Não terei coragem de trair a confiança dele!

LADY MACBETH

(solta o braço à força)

É o que deve ser feito!

Saem.

CENA 7 – INT/DIA – PÁTIO DO CASTELO

Duncan entra com seus guardas. Eles sentam-se à mesa com MacBeth e sua mulher. Lady MacBeth orferece incessantemente bebida aos guardas. Entram Banquo e Fleance. Todos comem e bebem. Duncan e os guardas quase não conseguem se levantar. Lady MacBeth os conduz até uma porta que leva a um quarto. Todos caem bêbados. Lady MacBeth olha para o marido. Banquo, Fleance e MacBeth saem.

CENA 8 – INT – QUARTO DE DUNCAN

MacBeth entra no quarto em que Duncan dorme. Tira uma adaga de um dos guardas e a crava em Duncan. MacBeth grita. Os guardas acordam. Banquo e Fleance aparecem. MacBeth desfere dois golpes certeiros nos pescoços dos guardas, que caem mortos.

Aparece Lady MacBeth. Ela se assusta com a cena.

BANQUO

Por quê?

MACBETH

Um complô dos filhos.

BANQUO

(desconfiado)

Eu queria ouvi-los!

CENA 9 – INT – QUARTO DE MACBETH

Lady MacBeth e o marido estão sentados na cama.

LADY MACBETH

Ele desconfiou! Banquo desconfiou!

MACBETH

(perturbado)

E o que tu queres que eu faça?

LADY MACBETH

O...

BRUXA 1

...que..

BRUXA 2

...deve..

BRUXA 3

...ser...

LADY MACBETH

...Feito!

CENA 10 – EXT/ DIA - FLORESTA

Banquo e Fleance estão andando na floresta. Uma adaga é desembainhada. A dupla balbucia algumas palavras. De repente, MacBeth surge das sombras e esfaqueia Banquo, que grita para Fleance que fuja. O rapaz hesita, mas obedece a ordem.

CENA 11 – INT/DIA – SALA DE JANTAR DO CASTELO DE MACBETH

Homens sentados e jantando. Lady MacBeth traz mais pratos. MacBeth entra com cara de assustado e senta na cadeira da cabeceira. A sua esposa o serve. Lady MacBeth olha fixo para o marido, que faz sinal que sim com a cabeça e começa a comer. Quando levanta a cabeça, MacBeth vê Banquo do outro lado da cabeceira da mesa. MacBeth se assusta. Banquo salta e anda sobre a mesa, saca a espada e a aponta para MacBeth, que grita. Todos ficam olhando para MacBeth assustados. Lady MacBeth estranha. MacBeth tenta se recompor. Fecha os olhos. Abre os olhos e vê Banquo e começa a estrangulá-lo. MacBeth se debate. Todos estranham MacBeth se debatendo sozinho. Lady MacBeth retira todos da casa. Depois que todos saem, ela sacode o marido, que acorda.

CENA 12 – INT – QUARTO DE MACBETH

Lady MacBeth acorda assustada. Ela olha para as suas mãos e as vê sujas de sangue. Os lençóis também estão. As bruxas riem. Lady MacBeth corre ao lavabo e tenta tirar o sangue das mãos e não consegue. MacBeth acorda. Tenta fazer a mulher parar de esfregar as mãos que estão limpas. Ela se debate, o marido tenta segurá-la mas não consegue. Ela corre pelo corredor, vai até a janela e se joga.

CENA 13 – INT – CORREDOR

MacBeth olha pela janela desesperado e grita. Ele se vira e se depara com as bruxas.

MACBETH

Que fazeis, misteriosas e sombrias bruxas de meia-noite?

TODAS

Algo sem nome.

MACBETH

Conjuro-vos por vosso próprio ofício, seja qual for sua origem: respondei-me. Mesmo que os ventos a soltar viésseis, jogando-os contra as torres das igrejas; mesmo que as ondas escumantes venham a destruir os navios e a tragá-los; ainda que o trigo verde caia todo e as árvores se vejam derrubadas; embora o cimo dos castelos caia na cabeça dos guardas, e as pirâmides e os palácios os picos altanados nivelem com suas bases; muito embora venha a desmoronar todo o tesouro dos germes da natura, de tal modo que a própria destruição se mostre farta: respondei às perguntas que vos faço.

PRIMEIRA BRUXA

Fala.

SEGUNDA BRUXA

Pergunta.

TERCEIRA BRUXA

Vamos responder-te.

PRIMEIRA BRUXA

Que preferes: ouvir de nossas bocas ou da de nossos mestres?

MACBETH

Invocai-os; desejo vê-los.

PRIMEIRA BRUXA

Sangue de porca, então, nesse fogo atira, que comesse seus nove filhos, gordura de uma corda bem segura, de que pendesse, enforcado, um suicida amaldiçoado.

TODAS

Mostra agora que és ousado.

(Trovão. Primeira aparição: uma cabeça, armada de capacete.)

PRIMEIRA BRUXA

Não prossigas. Sabe o que pensas. Ouve e nada digas.

PRIMEIRA APARIÇAO

Macbeth, Macbeth, Macbeth! Toma cuidado com Macduff, acautela-te com o thane de Fife! Desobriga-me; é o bastante.

(Desce.)

MACBETH

Quem quer que sejas, fico-te obrigado pela boa advertência. Isso concorda com meus receios. Mais uma palavra...

PRIMEIRA BRUXA

Não aceita injunções. Eis que vem outro ainda mais forte que ele.

(Trovões. Segunda aparição: uma mulher ensangüentada.)

SEGUNDA APARIÇÃO

Macbeth, Macbeth, Macbeth!

MACBETH

Se três ouvidos tivesse, te ouviria.

SEGUNDA APARIÇAO

Sanguinário sê sempre, ousado e resoluto, e aprende a rir do homem, porque ninguém nascido de mulher poderá, em nenhum tempo, fazer mal a Macbeth.

MACBETH

Então, Macduff, podes viver. Por que de ti recear-me? Contudo, quero a segurança em dobro segurar, e penhor obter do fado. Vivo não ficarás, para que eu possa dizer que mente o medo de alma pálida e, apesar dos trovões, dormir tranquilo.

(Trovão. Terceira aparição: uma mulher coroada, com um ramo de  árvore na mão.)

TODAS

Escuta só; não fales.

TERCEIRA APARIÇAO

Veste a força do leão, sê orgulhoso e não te importes com quem quer que

resmungue ou se rebele, ou contra ti conspire, pois vencido não há de ser Macbeth, enquanto o grande bosque de Birnam não subir contra ele ao alto Dunsinane.

(Desce.)

MACBETH

Jamais isso poderá dar-se, pois quem tem poderes para a floresta armar e dizer à árvore que liberte a raiz fixa na terra? Ótimo indício! Belo! Não eleves, rebelião, a cabeça sem que o bosque de Birnam se levante, e assim o nosso grande Macbeth há de chegar ao termo da natureza até ao alento

extremo, segundo o mortal uso. Mas agita-me o coração esta fatal pergunta: Dizei-me - se vossa arte chega a tanto - alcançarão um dia os descendentes de Banquo o trono e o cetro deste reino?

TODAS

Não queiras saber mais.

CENA 14 – INT – CASTELO DE FIFE

Ross abre a porta. Se vira e se dirige à mulher e ao filho.

ROSS

Sei que é difícil, mas é preciso parar MacBeth!

LADY MACDUFF

Como posso ter paciência se meu próprio marido me abandona na terra que ele teme pisar!

ROSS

Não é medo, mas sim, prudência. Com ele, da Inglaterra virão aqueles que porão fim à loucura da ditadura de MacBeth!

LADY MACDUFF

Ah...não me importa! Me deixe sozinha e protegerei meus domínios como um homem!

Ross sai. Lady Macduff abraça o filho. Batem na porta. Ela abre. O filho abre. Um homem surge e olha de forma assustadora para o filho. O homem crava uma faca no filho. A mulher grita. Ela tenta correr. O homem a alcança e lhe dá uma chave de braço. Aperta até ela parar de gritar e cair sem vida.

CENA 15 – EXT./DIA – CAMPO

Macduff está sentado na frente da sua barraca. Homens conversam à sua volta. Ross surge correndo. Conta-lhe a notícia da morte da mulher e filho. Visivelmente Macduff se abate. Chora. Abaixa a cabeça. Levanta-a vagarosamente. Olha para a câmera com uma expressão de ódio na face.

MACDUFF

(com muita raiva)

MacBeth!

CENA 16 – EXT/DIA – FLORESTA DE DUNSINANE

Entre as árvores, vários homens se preparam para a batalha. À frente deles, Macduff e Ross.

MACDUFF

Malcolm. Qual o nome desta floresta?

MALCOLM

Birnam. Nobre aliado!

MACDUFF

Destes troncos sairá a lança que porá fim à tirania!

Avançar!

Eles surgem da mata e avançam contra a tropa de MacBeth.

TERCEIRA APARIÇAO

(OFF)

Veste a força do leão, sê orgulhoso e não te importes com quem quer que

resmungue ou se rebele, ou contra ti conspire, pois vencido não há de ser Macbeth, enquanto o grande bosque de Birnam não subir contra ele ao alto Dunsinane.

CENA 17 – INT/DIA – QUARTO DE MACBETH

MacBeth olha o corpo da mulher morta sobre a cama.

MACBETH

Quase esqueci que gosto tem o medo. Já houve tempo em que um só grito, à noite, gelados os sentidos me deixava, e a relação de qualquer fato horrendo eriçar os cabelos me fazia, como se vivos fossem.

Aproxima-se da mulher como se fosse beijá-la.

MACBETH

Devia ter morrido mais tarde; então, houvera ocasião certa para tal palavra. O amanhã, o amanhã. Outro amanhã, dia a dia se escoam de mansinho, até que chegue, alfim, a última sílaba do livro da memória.

Ouvimos um estouro. MacBeth se levanta. Pega as suas armas e sai.

CENA 18 – INT/DIA – ANTESALA DO CASTELO DE MACBETH

Homens lutando tenazmente. MacBeth desembainha a espada. Todos que o enfrentam tombam.

MACBETH

(lutando)

A vida é apenas uma sombra ambulante; é uma história contada por idiotas, cheia de fúria e muita barulheira, que nada significa.

MacBeth para diante de Macduff que o ataca com fúria. MacBeth se defende.

MACBETH

(seguro)

Teus golpes são cócegas na minha espada. Nenhum homem nascido de mulher pode me ferir!

MACDUFF

(confiante)

Risque meu nome desta lista!

(dá um golpe forte de espada contra a espada de MacBeth)

Fui tirado de minha mãe antes do tempo!

MacBeth se apavora. Macduff dá um golpe certeiro na mão de MacBeth, que solta sua arma. MacBeth cai. Macduff dá um grito golpeia a câmera.

CENA 19 – INT/DIA – ANTESALA DO CASTELO DE MACBETH

Os invasores comemoram a vitória. Malcom está à frente de todos e aclamado rei. Macduff atira a cabeça de MacBeth aos pés de Malcolm, que pega a coroa que caiu e põe na cabeça.

MACDUFF

(olha para Malcolm)

Sê feliz, filho de Duncan, legítimo Rei da Escócia!

CRÉDITOS FINAIS

FADE OUT