MOVIMENTO

Todo o Universo se movimenta.

Quem és tu, servo, para ficar parado?

Todo o oposto em algum momento se complementa.

Quem és tu, escravo, para esquecer-se do divino arado?

 

Não melindres os desconcertos do mundo

Procure antes, ser tu, o maestro que recupera a harmonia da orquestra

Ou o marceneiro que conserta a torta madeira;

Já pensaste, se a semente tivesse medo do Movimento que a transforma em macieira?

 

De que bela maneira se movimenta a Natureza!

Marcha sempre para o primor.

E com exímia aceitação do seu Destino

Faz sua parte, segue seu tino, não prescindindo em nos oferecer beleza.

 

Atenção a falta de cortesia com os passos

E a correta forma de segurar o Mastro,

Pois caso não saibas, todo percurso se inicia no casto ofício da atenção no caminhar

E da dedicação depositada ao Mastro, da Digna Servidão.

 

Quem não serve para servir

Pouco servirá para o melhor porvir.

Em juízo e consciência

Movimente-se para castrar a inútil dormência.

 

Com firmeza e amor

Mova-se para deter o espasmo do pavor.

Não renegues à Lei Celeste

Que trabalha no Infinito da Eternidade, para manter a Vida Incessante e o Movimento Constante.

 

Ao contrário, caro Homem, sejas tu a Ferramenta do Criador

Trabalhes com ardor junto a toda a sua Criação.

Desloque-se contra a porta de papel da ilusão

E descubras em ti, o propósito da Realidade.

 

Essa que é a Sublime Inteligência

Não as argumentações sem fundamentos, que usamos para suprir negligência.

Sejais, portanto, pacificadores e construtores

Obreiros e sagrados motores – para esse formidável e inteligente Movimento!

 

Só é possível regressar para a Fonte de onde saímos, estimado Ser.

Portanto, segues adiante, confiante e radiante

Pois só assim, o Caminho do Regresso será em ti construído;

Caso contrário, a lentidão de quem cultua a indolência, fará teias em tuas estradas.

 

Não permitas que a ilusão do repouso te faças esquecer de marchar para a tua Real Morada.

Deves procurar sempre o exemplo da formiga, nunca a canção da cigarra.

Inspirar-te no incansável Sol, jamais na frágil luz do arrebol, que só prepara a Terra para receber o Astro.

 

Se despertas com alegria na Alma

E se não temes a batalha contra a letargia e a apatia

E dignificas o teu espírito no propósito do amor e da compaixão

A Existência lhe reconhecerás como Seu Servo

E o Movimento contigo não será severo, porém sempre justo.

 

 

O custo para Ser Grande

Depende do movimento que fazes para ser inteiro.

Assim como o jardineiro que embeleza o jardim

Seja tu o Guerreiro que se move para a batalha do Bem, todas às vezes que o Movimento da Vida toca o seu clarim.

 

 

                       Mandala de Simone Bichara – Texto de Daniella Paula Oliveira