A garrafa perdida no mar

         Era uma garrafa comum. Feita de vidro verde claro. Durante muitos anos foi guardada num lugar escuro, uma adega. Mas um dia tomaram o vinho que ela conservara por tanto tempo. E por ser uma garrafa comum foi jogada no lixo. Mas ela teve sorte. Um menino curioso a recolheu e a levou para casa. E ela passou a fazer companhia a muitas outras garrafas vazias que o garoto colocava numa prateleira da despensa. O menino não colecionava garrafas. Ele as usava para mandar mensagens para lugares muito distantes. Quando ouvia no rádio notícias de desastres em outros países, ele escrevia bilhetes para pessoas que tinham perdido tudo, mandando-lhes mensagens de esperança. Esses bilhetes eram colocados dentro de uma de suas garrafas. E estas eram lançadas ao mar, na esperança de que, um dia, pudessem chegar a seu destino.

                                                                                                                               Jarbas Novelino                                                                                                                          

   

         O dia da garrafa de vidro verde finalmente chegou. O menino tinha escrito uma mensagem para duas garotas que tinham perdido seus pais, quando uma onda gigante invadiu a ilha De Flores na Indonésia. Escolheu a garrafa verde clara para a missão. Colocou nela o bilhete e a lançou ao mar. A vinte mil quilômetros de seu destino, a velha garrafa de vinho começou uma aventura que a levaria a dar volta ao mundo.

         E no bilhete dizia que quem encontrasse a garrafa à noite teria muita sorte e poderia transformar qualquer situação. E quem a encontrasse de dia poderia sofrer fortes consequências.