Abundância

 

Os trigais lançam seu ouro ao sol.

Sem medo algum de serem cobiçados.

Suados no calor dos raios – os benditos fiadeiros louros

Não cessam de oferecer o melhor reflexo divino à paisagem.

 

As flores desabrocham em sua totalidade

Sua frágil aparência não é empecilho para trazer ao mundo suavidade.

Assim como os espinhos nelas entranhados não as retiram a Graça de Existir

- contempla neles a espessura da proteção, dando ênfase a perfeita Criação.

 

A Primavera nos traz a Energia do Início

Em seu ciclo

- tudo quanto é cor pode ser apreciada, e toda primazia pode ser percebida.

Todo cheiro pode ser apalpado e todos os sons podem ser trazidos

ao onírico sentido da pura imaginação.

 

Nesses traços quase etéreos

A Abundância vem passear.

A Fartura dos detalhes que compõe o Todo

Não os excessos do que é necessário.

 

Assim, o lodo, o oco, o eco.

As proporções das águas que começam em minúsculas gotas em rochedos

visitam colinas, perpassam as pedras, se fundem aos grandes rios e provam nobres da paz dos oceanos.

Fartas de coragem, de persistência, de Vontade. Abundantes em suas profundezas.

 

Abundância de Selva

Que vale de seu mistério para a vida germinar.

Abundância de Mar

Que vale da sua infinitude para o Eterno alcançar.

 

Abundância nos corações palpitantes de Energia Primordial

Onde o escopo é a vitalidade fundamental

E em cada célula que o compõe, vibra a Inteligência Divina

A Sina Ardente de Existir e Coexistir com todas as coisas.

 

Muito, muito além das tangíveis riquezas

Abundância é a profundeza de tudo que há.

São os mistérios dos papiros dos deuses

As alaranjadas tonalidades das manhãs

A harmônica Lei da Natureza

A Plena Doação de tudo que a Pureza habita.

A Rima, a Métrica, a Poesia da Canção.

A pulsação da Paixão

E o canto ébrio das músicas do Vento.

 

Mais que fartura dos Manás de Tupã

A Esperança de que virá o Amanhã.

Mais que ter para dar

A Prudência de Ensinar para Ter.

Mais que arraigar solos secos e opacos

Fé para acreditar na plantação.

Abundância

é o necessário para alimentar o Coração

 

Mandala de Simone Bichara – Texto de Daniella Paula Oliveira