Anunciação

 

O Anúncio de hoje é que a primavera se abrirá para as flores

É que a luz se abrirá para o sol

É que o arco-íris se abrirá para as cores

E que a manhã se abrirá para o arrebol.

 

Para quem ainda não ouviu a Anunciação do Céu, do Mar, das Matas e de todas as Terras...

Sobreponha-se as Eras; esqueça o Tempo...

Limpe a janela, observe o campo além da vidraça

Mantenha-se presente e veja a face do infinito

 

Retire a mordaça do julgamento

Mude o canto de lamento

E cante a música do equilíbrio.

Veja a natureza no seu brilho...

 

E viva a Anunciação!

Nela há a compreensão das dores

A resignação dos tambores ancestrais

Que ainda teimam em bailar no solo fértil sem velas em castiçais.

 

Revire os seus sonhos

E aqueça os seus planos.

Olhe para o alto dos seus ideais

Encontre neles algo mais. Talvez a paz, o bem, a beleza, a justiça...

 

A Anunciação castiça de que a pureza que lava o rio

Fará parte do nosso rito e do nosso riso.

De que a força do recomeço

Estará também no tropeço da tarde.

 

E a mesma lua que banha a escuridão

Derramará sobre os nossos seios a capacidade de amplidão.

Em nosso colo germinará as sementes de consolação

E nele, todos, infinitamente todos, caberão.

 

O corpo escarlate que anuncia a poesia da harmonia

Vem vibrar em nós. Desatar os nós...

E profetizar a simplicidade

Para que seja possível avistar a tão sonhada felicidade.

 

E nos relances de chuva e veraneio

Encontraremos o caminho do meio

A fresta de luz que já fagulha no sótão da nossa mente

E que no próximo crepúsculo se transformará, como uma borboleta transmutada, em Anunciação apocalíptica de Amor!

 

Já não haverá dor desatinada

Só o aprendizado retirado

Dos orvalhos e dos carvalhos das experiências

Das consciências iluminadas

E da Sabedoria alimentada com o leite da Vontade.

 

Os cabelos pratas da idade

Anunciarão aos vindouros a nobreza da maturidade.

Os jovens farão prelúdio da sua vitalidade

E os recém-nascidos nesse planeta cantarão a ode do mundo em que veio.

 

E assim, na revelação que inunda o coração de esperança

Construiremos todos, o melhor espetáculo por trás da cortina a ser revelada.

E na selada oração às alturas

A anunciação de que alvura celeste brilhará em nosso Ser.

 

 

O anúncio de hoje é que a vida resplandece

é só ter visão para ver!

 

Mandala de Simone Bichara – Texto de Daniella Paula Oliveira