O QUE É SER VOLUNTÁRIO?

Todos vós podeis dar; em qualquer classe que estiverdes, tendes alguma coisa que podeis partilhar; o que quer que seja que Deus vos tenha dado, disso deveis uma parte àquele a quem falta o necessário, porque em seu lugar estaríeis bem contentes que um outro dividisse conosco. Vossos tesouros da terra serão um pouco menores, mas vossos tesouros no céu serão mais abundantes; nele recolhereis ao cêntuplo o que houverdes semeado em benefícios nesse mundo.” (João, Bordéus, 1861 - E.S.E Cap. XIII). O voluntariado contemporâneo busca a eficiência do serviço, a doação de seu tempo e talento para qualificar a organização social e assim ajudá-la na sua missão.Este novo voluntário tenta provocar mudanças que conduzam à sustentabilidade, à autossuficiência da organização social, criando condições para a construção do seu próprio desenvolvimento. E para você, o que é ser voluntário?

Ser voluntário é também uma escolha pessoal, como um hobby ou uma profissão. Do hobby o voluntariado empresta o prazer, a alegria. Da profissão, empresta a responsabilidade, o compromisso e a competência. O voluntário tem a oportunidade de exercer a liberdade de escolha, a criatividade e o respeito à diversidade. Ser voluntário, na comunidade, cria oportunidades para aprender novas habilidades, fazer amizades e vivenciar experiências diferentes, num processo em que você muda o mundo e o mundo muda você.

A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO

Nas cidades, nos bairros, nas ONGs, nos grupos de autoajuda, nos clubes, nas associações religiosas, culturais e esportivas, nas instituições e nas empresas, milhões de pessoas ajudam umas as outras, ajudam a quem está em situação mais difícil e realizam atividades que beneficiam sua comunidade, seu país e nosso planeta. Muitas vezes essas pessoas nem sabem que são voluntárias. Como saber se são? Duas definições: voluntário é aquele que dedica seu tempo, trabalho e talento, espontaneamente e sem remuneração, a causas de interesse social e comunitário; o voluntariado é solidariedade, é ajuda a quem precisa, mas também é defesa da natureza e do meio ambiente, cultura, esporte, lazer e diversão. É ação direta de socorro, mas também é reivindicar e lutar por uma causa. Ao nos preocuparmos com a sorte dos outros, ao nos mobilizarmos por causas de interesse coletivo, estabelecemos laços de solidariedade e confiança mútua que nos protegem em tempos de crise. Esses laços tornam a sociedade mais unida e fazem de cada um de nós um ser humano melhor. O voluntariado merece ser valorizado, apoiado, divulgado e fortalecido pelos benefícios que traz para o próprio voluntário, para as pessoas com quem ele se relaciona e para a sociedade.

QUEM PODE REALIZAR TRABALHO VOLUNTÁRIO?

Toda pessoa com mais de 14 anos, que tenha vontade de disponibilizar seu tempo, conhecimento, amor e emoção em prol de sua comunidade.

Os Mandamentos do Voluntário

Todos podem ser voluntários – Não é só quem é “especialista” em alguma coisa que pode ser voluntário. Todos podem participar e contribuir: o que cada um faz bem pode fazer bem a alguém. O que conta é a motivação solidária, o desejo de ajudar, o prazer de se sentir útil.

Voluntariado é uma relação humana, rica e solidária – Trabalho voluntário não é uma atividade fria, racional e impessoal. É contato humano, é relação de pessoa a pessoa, oportunidade para se fazer novos amigos, intercâmbio e aprendizado.

Trabalho voluntário é uma via de mão dupla: o voluntário doa e recebe – Voluntariado não tem nada a ver com obrigação, com coisa chata, triste, motivada por sentimento de culpa. Voluntariado é uma experiência espontânea, alegre, prazerosa, gratificante. O voluntário doa sua energia e criatividade, mas ganha em troca contato humano, aprendizagem, convivência com pessoas diferentes, oportunidade de viver outras situações, aprender coisas novas, satisfação de se sentir útil.

Voluntariado é ação – O voluntário é uma pessoa criativa, decidida, solidária. Não é preciso pedir licença a ninguém antes de começar a agir. Quem quer, vai e faz. Claro que quando a ação se dá no interior de uma Instituição a contribuição do voluntário deve estar bem articulada com as necessidades e procedimentos da entidade que o recebe.

Voluntariado é escolha – As formas de ação voluntária são tão variadas quanto às necessidades da comunidade e a criatividade do voluntário. Durante muito tempo o voluntariado no Brasil se concentrou na área de saúde e no atendimento a pessoas carentes. A ajuda a pessoas em dificuldade é fundamental, mas, hoje em dia, abrem-se também novas oportunidades nas áreas de educação, atividades esportivas e culturais, proteção do meio ambiente, luta contra a violência etc. Cada necessidade é uma oportunidade de ação voluntária. Basta olhar em volta e dar o primeiro passo.

Voluntariado é compromisso – Cada um contribui, na medida de suas possibilidades, com aquilo que sabe e quer fazer. Uns têm mais tempo livre, outros só dispõem de algumas poucas horas por semana. Alguns sabem exatamente onde ou com quem querem trabalhar. Outros estão prontos a ajudar no que for preciso, onde a necessidade é mais urgente. Cada compromisso assumido, no entanto, é para ser cumprido. Uma pequena ação bem feita tem muito valor. Nada é mais decepcionante do que prometer e não ser capaz de realizar.

Cada um é voluntário ao seu modo – Alguns são capazes individualmente de identificar um problema, arregaçar as mangas e agir. Outros preferem atuar em grupo. Grupos de vizinhos, de amigos, de estudantes ou aposentados, de colegas de trabalho que se mobilizam para ajudar pessoas e comunidades. Por vezes, é uma Instituição inteira que se mobiliza. No voluntariado é assim: não há fórmulas nem receitas a serem seguidas.

Voluntariado é uma ação duradoura e com qualidade – O voluntariado não compete com o trabalho remunerado nem com a ação do Estado. Sua função não é tapar buracos nem apenas compensar carências. Uma sociedade participante e responsável, capaz de agir por si mesma, não espera tudo do Estado. Assume também a sua parte sem abrir mão de cobrar dos Governos aquilo que só eles podem fazer.

Voluntariado é uma ferramenta de integração social – Compartir alegria e aliviar o sofrimento de outros, melhorar a qualidade de vida em comum é um direito de todos. Todos têm o direito de ser voluntários. Os jovens, as pessoas portadoras de necessidades especiais, os aposentados e os idosos têm muito a contribuir com seus valores, experiência e criatividade. Assegurar a todos o direito de ser voluntário significa construir uma sociedade mais tolerante com as diferenças, mais solidária e unida.

No voluntariado todos ganham: o voluntário, aquele com quem o voluntário trabalha, a comunidade – Ao mobilizar energias, recursos e competências em prol de ações de interesse comum, o voluntário combate a indiferença, a discriminação e a exclusão social, fortalece a solidariedade e a cidadania, reforça o pertencimento de todos a uma mesma sociedade. Ajudando aos outros, ajudamos a nós mesmos e a todos.

Quero ser Voluntário

Você, que quer ser voluntário, saiba como começar!

“Eu tenho interesse em ser voluntário, mas não sei por onde começar”.

Esta é a principal dúvida das pessoas que desejam começar a atuar em ações voluntárias.

Antes de começar a agir, informe-se mais sobre o voluntariado.

TRABALHO VOLUNTÁRIO ESPÍRITA

Há, entretanto, uma outra forma de trabalho, que não rende moeda, nem produz conforto maior, tampouco crescimento permanente da conjuntura econômica. Este é o trabalho-abnegação, o qual não produz troca ou remuneração, mas que redunda em crescimento de si mesmo no sentido moral e espiritual.

Modernamente a este trabalho dá-se o nome de TRABALHO VOLUNTÁRIO.

No primeiro caso, o trabalho gerando crescimento material e progresso social, desenvolve uma melhora exterior da criatura, enquanto o segundo, o trabalho voluntário, ascende no sentido vertical da vida e modifica, transforma o homem de dentro para fora, superando a si mesmo como instrumento da misericórdia divina.

Jesus, nosso modelo de homem na Terra, nos infunde coragem, estimula o trabalho-serviço, o trabalho redenção, fraternal, procurando manter a sociedade unida, acalentando os menos favorecidos, dando conforto aos necessitados de toda ordem.

“Hão de se perguntar: Como gozar os frutos se não recebemos dinheiro pelo que produzimos?”

Emmanuel, no livro “Perante Jesus” nos fala do trabalho voluntário explicando–nos como nos chega a remuneração mais do que compensadora por trabalharmos pelo simples prazer de servir, desinteressadamente.

Vera Meire Bestene menciona que quando o trabalho se transforma em prazer de servir surge o ponto mais importante da remuneração espiritual:

Toda vez que a justiça divina nos procura no endereço exato para a execução da sentença que determinamos a nós próprios, segundo a lei de causa e efeito, se nos encontra a serviço do próximo, manda a justiça divina que seja suspensa a execução, por tempo indeterminado.

As pessoas nem imaginam o bem que estão fazendo a si próprias quando se dedicam a realizar algum trabalho sem a respectiva recompensa financeira. O voluntariado é hoje uma verdadeira explosão, uma vez que está transformando hábitos, sobretudo quando realizado por jovens.

É uma característica comum aos jovens a vontade de ajudar, de ser útil, de diminuir a dor alheia, praticando assim a solidariedade. O incentivo cabe aos mais velhos, exercê-lo.

As maravilhosas obras beneméritas e de caridade erguem-se no planeta, materializando pensamentos de bondade. Ao trabalho voluntário todos somos chamados, entretanto, aos que deixaram passar a oportunidade, conclamamos agora:

Venha compor esta fileira.

Deixe de lado as desculpas do “não tenho tempo”, “meus filhos são pequenos”, “meu marido é sistemático”, “quando aposentar vou ajudar vocês”, “minha família necessita

de mim”. Não adie a tarefa do auxílio. É necessário se conscientizar da responsabilidade que temos em relação ao próximo. A firmeza de propósitos, o espírito de altruísmo precisam ser ativados.

O maior beneficiado é sempre quem auxilia.

Emmanuel, no livro Pronto Socorro recomenda: “Não te esqueças do tempo e auxilia agora”.

É tempo de agir, de aprender que o doar-se de forma absolutamente desinteressada, é semeadura de amor e libertação, pois que a justiça divina dá a cada um segundo o seu merecimento e o seguimento da máxima de Cristo “Ama o próximo como a ti mesmo” extirpando o egoísmo e a arbitrariedade o quanto antes de nosso comportamento.

O trabalho é e será o único meio de evolução do ser encarnado ou desencarnado e, sem trabalho, não há progresso, sem trabalho voluntário não há evolução espiritual e não há luz. A forma que cada um pode ser mais útil para o maior número de pessoas, é análise pessoal, mas nos cabe alertar a importância do auxílio, da cooperação de acordo com a capacidade e possibilidade de cada um, mas sempre há e haverá um trabalho, uma tarefa que diante da boa vontade e do amor, será sempre, simples, prazerosa e fácil. Realiza o teu compromisso, por menos significante que te pareça, pois que esta será a base para grandes realizações futuras.

Hoje, tantos anos já passados, o trabalho tem leis que o regem para que a sociedade possa ser mais justa, devido a imperfeição natural dos homens que neste planeta habitam. Cumpre às Casas Espíritas o cuidado de fazer o registro de seu corpo de voluntariado, cumprindo assim as necessidades das leis humanas. Sempre é tempo!

É tempo de agir, de aprender que o doar seja de forma absolutamente desinteressada, pois que a justiça divina dá a cada um segundo o seu merecimento e o seguimento da máxima de Cristo “Ama o próximo como a ti mesmo” .