PROCESSO FORMATIVO ESCOLAS SUSTENTÁVEIS 2018

Proposta Técnica Pedagógica de Consultoria, Assessoria e Formação em

Arte Educação Ambiental, Design Regenerativo e Sustentabilidade 

Escolas Transformadoras, Sustentáveis e Resilientes - Um trabalho de Conexão

“O Processo formativo Escolas Sustentáveis considera a escola um centro de referência em sustentabilidade comunitária. Tem por objetivo fortalecê-la e potencializar a sua influência social, em um período em que a sociedade brasileira clama por revalorizar a educação. Neste momento da história, os debates sobre qualidade de vida carecem de estruturação e intenção que vão ao encontro de materializações objetivas e harmônicas aos processos e movimentos da natureza, sendo comprometidas com o presente e o futuro de todas as formas de vida, incluindo a humana” Dulce Maria Pereira – Coord. UFOP do Processo Formativo em Educação Ambiental Escolas Sustentáveis e Com-Vida), 2015.

1. Objetivos: Promover assessoria, orientação e formação Técnica Pedagógica em Sustentabilidade, Arte Educação Ambiental e Design de Permacultura para Instituições de ensino de todos os níveis educacionais.

2. Metodologia: Fruto da crença de que todos podem ser transformadores da sociedade, a presente proposta metodológica enxerga a escola como espaço privilegiado para proporcionar experiências capazes de formar sujeitos com senso de autonomia e responsabilidade pelo mundo. Crianças, jovens e adultos, que integram a comunidade escolar, aptos a assumir papel ativo diante das mudanças necessárias, em diferentes realidades sociais e amparados por valores e ferramentas como a empatia, o trabalho em equipe, a criatividade, a regeneração de espaços, a auto suficiência e o protagonismo.

O Design de Permacultura como Recurso Pedagógico

Permacultura é um protocolo de design, um método para ver e criar estruturas e ciclos sustentáveis ​​e regenerativos, com base em princípios ecológicos. Para este fim, os princípios de permacultura e os métodos de design são aplicáveis ​​a todas as entidades estruturais, tanto naturais como sociais. Como um protocolo de design, os princípios da permacultura são baseados naqueles encontrados na natureza, e soluções naturais são propostas para resolver problemas no ambiente. Em um contexto social, a permacultura fornece uma metodologia para a criação de estruturas sociais regenerativas. Na educação, o protocolo de design é útil no planejamento e criação de uma pedagogia sustentável e no planejamento e processos formativos, ou metodologia de ensino.

No ambiente socioeducativo o design de permacultura busca desenvolver soluções sustentáveis como um pátio mais vivo, ecológico, saudável e por seguinte mais rico em situações de aprendizagem, alegria e entusiasmo de todos os envolvidos. O desenvolvimento de habilidades e criatividades ilimitadas; facilitação da aprendizagem; melhoria da qualidade das refeições, soluções para reuso e reciclagem de materiais, cuidados com a terra, água e energias; mais profundidade no conhecimentos da natureza; cooperação e afeto nas relações sociais; difusão de atitudes positivas e valores éticos e ecológicos para a comunidade.

A Permacultura dá ao educador a capacidade de usar um conjunto de princípios e ferramentas, e criar inúmeras soluções "fora da caixa" e, ao mesmo tempo, aplicar soluções sistêmicas para que elas alcancem vários elementos e funções para atingir um vasto "efeito de ondulação" através da comunidades de aprendizagem, de alunos a grupos de alunos, professores, pais e a comunidade em geral.

3. Para que as ações ocorram integradas, oferecemos 6 Ações Estratégicas para o Processo de Formação em Sustentabilidade e Transformação Educacional. São elas:

1 - Visitas de Análises - visita ao ambiente escolar para analisar e diagnosticar a realidade da sustentabilidade local, apontar sugestões e propor ações.

2 - Rodas de Conversas - encontros para estabelecer em conjunto com a equipe escolar os temas para as oficinas de acordo com as necessidades apontadas pelo grupo.

3 - Encontros Sustentáveis - reuniões pedagógicas para discutir e conceber os 3 eixos integrativos da sustentabilidade pedagógica: Gestão, Espaço e Currículo.

4 - Guiagem com Prosa - encontros para intercâmbio de conhecimentos com outros educadores, visita a locais relevantes, pique-nique-pedagógico, saídas de campo, estudos do meio e outros.

5 - Palestras e Oficinas Temáticas - apresentações, sensibilizações e oficinas com conteúdo teórico e prático sobre diversas temáticas que envolve a sustentabilidade educacional.

6 - Biomutirões - ação coletiva (pais, alunos, professores, funcionários, voluntários e gestores) para transformação dos espaços educadores sustentáveis integrando conhecimentos científicos e populares.

4. Valores : Os honorários técnicos serão calculados somando às horas/atividades de cada ação. Ainda assim, deve-se incluir despesas com transporte, alimentação e hospedagem dos facilitadores. A escola determinará o tempo de formação que poderá se envolver, conforme a disponibilidade dos recursos humanos, estruturais e financeiros.

4.1 Valores dos Materiais e Ferramentas

* Para cada ação prática será estipulado um orçamento específico dos materiais e ferramentas que serão preciso para realizá-la. Este valor será estabelecido em conjunto com a escola, dependendo da atividade eleita a ser executada. Os valores de materiais e ferramentas não estão incluso no valor hora/atividade. Serão incluídos de acordo com o andamento das atividades.

5. Público: Instituições de Ensino público e privado de Ensino Infantil, Fundamental, Médio e Superior.

6. Abrangência das 6 Ações Estratégicas de Sustentabilidade que usamos

1 - Visitas de Análises e Avaliações

Junto a equipe pedagógica da escola

2 - Rodas de Conversas

Com os professores, gestores, funcionários, membros da COMVIDA

3 - Encontros Sustentáveis

Pode participar toda a comunidade escolar

4 - Guiagem com Prosa

5 - Palestras e Oficinas Temáticas

Podendo abranger também toda  a comunidade escolar

6 - Biomutirões

Currículo resumido do autor: Juliano de Paiva Riciardi tem mais de 15 anos de experiência como Arte Educador Socioambiental. Artista bioconstrutor, professor e mestre em Design de Permacultura, certificado pela Rede Brasileira de Permacultura. Ecodesigner profissional, graduado em Licenciatura Plena em Artes Visuais pela FURG/RS e Pós-Graduado em Docência em Sustentabilidade pela AVM/DF. Criou em 2015 um Microempreendimento Individual - MEI, por onde tem representação jurídica através da SINERGIA : Educação e Design para Sustentabilidade e CNPJ: 22.104.326/0001-00, onde facilita vivências de design, orientação pedagógica e educacional em sustentabilidade para diversas instituições de ensino entre elas APAEs, CEIs, Escolas e Universidades do Brasil. É cicloativista e cicloviajante onde já rodou do Sul a Amazônia de bicicleta. Reside em Joinville/SC e veio para trabalhar como Consultor em Sustentabilidade do Prêmio Embraco de Ecologia entre 2015 a 2017, onde suas ações de permacultura se propagaram por mais de 20 unidades do ensino público deste município. Nestes 3 últimos anos também trabalhou no município de Itaiópolis/SC dando consultoria para a Rede Ambiental Embraco onde envolveu mais de 25 instituições. Em 2016 participou em conjunto as ações do Projeto Babitonga Ativa/UNIVILLE como facilitador de 12 oficinas de ecoalfabetização e permacultura abrangendo 6 municípios da região. Em 2017 coordenou o Projeto Permacultura para uma Escola Sustentável, em São Francisco do Sul, vencedor do Edital 2016 da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. É facilitador na UNIPAZ/GO - Universidade Internacional da Paz no Curso GAIA Education - Design para Sustentabilidade. E em julho de 2017 entrou para a Licenciatura em Ciências Agrícolas no IFC de Araquari/SC.

Maria Clara Costa adora muito duas coisas, jardinagem e crianças a envolvem o tempo todo. Sua formação é técnica em Logística, pelo Senai/SC, com formação também em Qualidade em Serviço pela Fundação Getúlio Vargas – Rio de Janeiro (2016). Trabalhou profissionalmente como educadora e cuidadora de crianças de 2 a 12 anos em diversas ações sociais nas cidades de Rio das Ostras – RJ e Guaramirim – SC (2009 – 2017), desenvolvendo atividades lúdicas de aprendizagem, práticas de esporte, reforço escolar, aulas de música, leitura, dança e culinária. Recentemente participou do programa de voluntariado na Ecovila Terra Una em Liberdade/MG, desenvolvendo atividades culinárias e lúdico-pedagógicas. Também é acadêmica do curso Licenciatura em Ciências Agrícolas no Instituto Federal Catarinense – Araquari/SC. Tem  trabalhado a partir 2017 auxiliando Juliano nas ações e Arte Educação Ambiental e Permacultura na escola.

Contato, informações e agendamentos:

E-mail: jriciardi@gmail.com - Cel. Whats (47) 99619-4898

E-mail:mariiaclaracosta@gmail.com - Cel. whats(47) 988 33 1902

Como afirma Paulo Freire no livro Pedagogia da autonomia, “educar não é transferir conhecimentos, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”.

Joinville, 23 de janeiro de 2018

     

      Juliano Riciardi                                                            Maria Clara Costa Santos

   Coord. e Facilitador                                              Auxiliar técnica e facilitadora

permaculturanaescola

REFERÊNCIAS

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Diretoria de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania Coordenação-Geral de Educação Ambiental. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. / Ministério da Educação e Cultura. . Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Diretoria de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania Coordenação-Geral de Educação Ambiental. Brasília, 2012. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao13.pdf

BRASIL. Ministério da Educação. Escolas sustentáveis e Com-Vida: processos formativos em educação ambiental. Ouro Preto: UFOP, 2010.

________. Ministério da Educação. Espaços educadores sustentáveis. Salto para o Futuro. Ano XXI. Boletim 7. 2011.

CAPRA, Fritjof. Alfabetização Ecológica, CULTRIX, São Paulo, 2006.

FORMANDO COMVIDA – Construindo Agenda 21 na escola. Ministério da Educação – MEC, 2004.

FREINET, Cellestin. Pedagogia da Cooperação, São Paulo, 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia, São Paulo1988.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra, São Paulo, 2002.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas/SP : Papirus, 1989.

HOLMGREN, David. Permacultura: caminhos e princípios além da sustentabilidade. Porto Alegre/RS, Via Sapiens, 2012.

LEGAN, Lucy. A Escola Sustentável : eco-alfabetizando pelo ambiente, IPEC, Pirenópolis, 2004.

__________. Construindo Habitats nas Escolas Sustentáveis, IPEC, Pirenópolis, 2007

NUTTAL, Carolyn. Agrofloresta para criança : uma sala de aula ao ar livre. Bahia : Instituto de Permacultura da Bahia, 1999

MOLLISON, Bill. Permaculture Designers Manual. Tagari, 1988.

ZANON, Angela Maria. [et al]. Escolas sustentáveis e com-vida: processos formativos em educação ambiental. 2ed..-Ouro Preto: Editora da UFOP, 2015.

Anexo - Fotos de nossos trabalhos

Fornos de barro                                              Formação de professores

Construção de jardins com alunos e professores                     Bioconstrução de sala de aula

Oficina de papel reciclado                                        Horta em espiral

Pracinhas de pneus                                               Coleta de água da chuva

Laguinhos                                                Viveiro de mudas

Hortas circulares                                                Atividades mão na massa

Sensibilização ambiental                                        Construção de casinhas de barro

Pinturas                                                        Atelier de Arte Sustentável


SINERGIA :  Educação e Design para Sustentabilidade

Rua Teresópolis, 864 - Joinville/SC  

CNPJ: 22.104.326/0001-00

Tel. (47) 996 19-4898