JENUÁRIO BÉO

Jenuario Béo. Nasci numa casa de fazenda, nu plano perto de um córrego e ao sopé de algumas montanhas onde se plantava café. Tudo isso ficava a 17 km do centro da cidade que se chama São José do Rio Pardo, ao norte do estado de São Paulo. Meu pai, Attilio Béo era italiano, da cidade de Pádua e minha mãe, descendente de italianos: Ana Venezian.

        Ao chegar a São Paulo fui logo matriculado em escolas municipais e por aí caminhei até o 2º grau quando fui colocado numa escola particular.

        Logo depois que deixei o emprego, às vésperas do carnaval de 1959 meu irmão que era guarda civil, pegou carona com o irmão Rubens Solha, por causa da chuva e no trajeto disse que tinha um em casa, que desejava entrar no seminário. Três dias depois fui morar no seminário, junto com os teólogos. Passado o carnaval o Pe. Pellegrini outro vocacionado e eu pegamos o trem e fomos para S. Sebastião do Paraíso. Fiz o noviciado em Guarulhos. O mestre era o Pe. Astor Salgado, recém chegado do Canadá e com idéias bem abertas e diferentes dos mestres até então.

Fiz a filosofia (3 anos) no seminário nosso. Na época a filosofia era ensinada por um só volume cujo autor era Charles Boyer. Em 1964, juntamente com três colegas fomos para a teologia no "seminário Central do Ipiranga", hoje PUC. Depois de muitas atribulações na teologia: ameaças de dispensa do seminário pelo então superior Pe. Raymundo Nogueira, término do Concilio Vaticano II, com muitas desistências do ministério sacerdotal, época da ditadura política no Brasil, eu me ordenei no dia 25 de fevereiro de 1968. Uma semana depois fui enviado para Castro. Ai fique 6 anos e depois começaram minhas caminhadas pelos nossos seminários. Fui superior na teologia, na filosofia, mestre de noviços, pároco por uns 6 ou 7 meses na Vila Livieiro. Voltei para Castro, de novo para o Ipiranga, etc.

Fui eleito superior geral em 2006 de depois, não aceitando a reeleição fui suprir necessidades em Castro de novo, como mestre de noviços. Com a última ida em 2011 estive quatro vezes em Castro, num total de mais de 12 anos.

Creio que fui o padre que mais tempo ficou na formação, mais de 35 anos. Em 2013 fui designado a assumir a comunidade de Mogi das Cruzes como mestre de noviço e Superior local, junto com o Pe Faustino, até o ano presente estou como mestre de noviço.

 (Paróquia Santa Rita, 16 de Fevereiro de 2012. Pe. Jenuário Béo)