Disciplina: Sociologia

Série/Ano: 1 ª

Vol/Bim: III

CADERNO DO ALUNO

Situação de Aprendizagem (Número/título)

Sequência Didática.

Recursos audiovisuais e/ou de TIs  sugeridos no caderno

Recursos audiovisuais e/ou de TIs sugeridos pelo PCOP

Interfaces interdisciplinares / Temas trasnsversais

SA - 1

O Caráter Culturalmente Construído da Humanidade

Levantamento de conhecimentos prévios: Discussão sobre o que nos une como seres humanos e o que nos diferencia. Demonstrando que o que nos une como seres humanos é também o que nos diferencia e que isso nada mais é do que o fato de sermos seres culturais.

Trabalho com imagens retomando a discussão do bimestre anterior sobre a importância de viver em sociedade para o homem. O homem existe como ser social e, por isso, passa por um processo de socialização primária e secundária à medida que cresce. Dessa forma, ele se insere em um grupo e na sociedade. Nas imagens veremos que outros animais também vivem em grupo. As fotos não mostram, mas sabemos que cada um deles passou por um pequeno processo de socialização para poder viver com o grupo e que, portanto, não pode simplesmente agir conforme a sua vontade. Logo, os animais também vivem em sociedade, assim como nós.

Atividade: O que o aluno acredita que nos distingue dos outros animais?

O que todos nós temos em comum é a capacidade de nos diferenciarmos uns dos outros e de vivermos essa experiência, que é a de ser humano da forma mais variada possível, por meio da imersão nas mais diferentes culturas. Logo, o que nos liga são as nossas diferenças, e elas são dadas pela cultura.

Explicação: Toda cultura é uma construção histórica e social. Nossos hábitos, costumes, maneiras de agir, sentir, viver e até morrer são culturalmente estabelecidos. Dizer que eles são uma construção não é aleatório.

Pois construção tem a ver com montagem, com algo que passa pela mão do homem, que não está pronto, ou seja, que não é dado pela natureza, mas, sim, que passa por algum processo até se transformar no que é.

Distinguir Etnocentrismo e Relativismo Cultural; Ler pensamento de Montaigne sobre a denominação de bárbaro. Que todos nós olhamos para o mundo com os olhos ou as lentes dados por nossa cultura. Por meio dela olhamos o mundo e avaliamos os outros.

Atividades: Questionar a classe a respeito de por que é tão difícil nos colocarmos no lugar do outro.

Lição para casa: redação sobre o medo. Sobre como ele pode atrapalhar a nossa vida.

Leitura de Texto: Claude Lévi-Strauss sobre o etnocentrismo. Artigo que escreveu em 1952 para a Unesco, que a interpretação e a visão da diversidade se faz em função da própria cultura, e para essa discussão ele usa como metáfora explicativa o trem e o andar do cavalo no jogo de xadrez (LÉVI-STRAUSS, 1980).

Avaliação: Como forma de avaliação dessa Situação de Aprendizagem, peça aos alunos que escrevam, em uma folha avulsa, um texto dissertativo e argumentativo que relacione a discussão de sala de aula à Lição de Casa que fizeram sobre o medo, ao etnocentrismo, ao relativismo e às metáforas usadas por Lévi-Strauss no sentido de ver “as culturas como trens” e de que “elas se movem assim como anda o cavalo no jogo do xadrez”.

www.ibge.gov.br

Filosofia, Geografia e História.

SA – 2

Por que Somos Diferentes?

Objetivo: mostrar aos alunos duas posturas que devem ser evitadas: o determinismo geográfico e o determinismo biológico.

Levantamento dos conhecimentos prévios: Por que somos diferentes? Na maioria das vezes o senso comum acredita que a diferença é fruto do meio físico e/ ou de fatores biológicos. Os que acreditam que a diferença ocorre por conta do meio físico são os adeptos do determinismo geográfico e os que dizem que é uma questão biológica são adeptos do determinismo biológico. Ambas são posturas ou explicações a ser evitadas.

Leitura de texto: Determinismo Geográfico -  Elaborado especialmente para o São Paulo faz escola.

Atividades: Interpretação do Texto. Leitura e Interpretação: Determinismo Biológico.

Lição de Casa: Pedir aos alunos que façam uma pesquisa complementar individual e tragam para a sala de aula um comentário crítico de um programa humorístico da TV brasileira, discutindo o conceito de “engraçado”.

Avaliação: Peça aos alunos que escrevam um texto explicando o que é o determinismo biológico e o determinismo geográfico e quais os problemas de cada uma dessas posturas.

Associação Nacional de Biossegurança. Disponível em: <http://www.anbio.org.br/ jornais/jornal5/pag6.htm>. Acesso em: 3 mar.

2009. Neste site é possível ter acesso a uma série de artigos e entrevistas, como a do professor Sérgio Danilo Pena sobre a inexistência de raças e o papel da genética em nossas vidas. Apropriado também para a discussão sobre determinismo biológico.

Filosofia, Geografia e História.

SA – 3

Como o Homem se Tornou Homem?

Objetivo: discutir a ideia de cultura, as características das culturas e a relação entre os homens, o instinto e a cultura.

Leitura e Interpretação de Texto: O Homem: uma introdução à antropologia (LINTON, Ralph).

Distinção da palavra “cultura” e a ideia de cultura.

Relação entre o homem, o instinto e a cultura.

Leitura e interpretação de texto: Cultura – um conceito antropológico (LARAIA, Roque de Barros).

Resumo da Situação de Aprendizagem:

1. A cultura, mais do que a herança genética, determina o comportamento do homem.

2. O homem age de acordo com os seus padrões culturais, ou seja, ele é um ser parcialmente movido pelos instintos. O papel do instinto no homem diminui conforme ele passa pelo processo de socialização.

3. O homem depende muito mais do aprendizado do que do instinto.

4. Como não só se adapta ao meio mas também interage com ele, o homem é capaz de viver sob os mais diversos climas e situações. Assim ele conseguiu transformar quase toda a Terra em seu habitat.

5. A cultura é um processo cumulativo resultante das sucessivas gerações, ou seja, a experiência vai sendo acumulada com o passar do tempo. Mas isso não quer dizer que ela não seja passível de mudança.

Avaliação: Questões dissertativas.

CEDIDO PELO AUTOR PARA USO EXCLUSIVAMENTE DIDÁTICO SOB-RESPONSABILIDADE DOS GESTORES ESCOLARES NAS ESCOLAS ESTADUAIS JURISDICIONADAS À DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO SÃO VICENTE - PROIBIDA A REPRODUÇÃO FORA DA JURISDIÇÃO OU PARA FINS COMERCIAIS E/OU ACADÊMICOS.

EM DESENVOLVIMENTO POR DEUSDETH ESTANISLAU DE OLIVEIRA