Atoka tos ben - Uma

Gerah Shunkairoh (1877)

Contos para a infância - A mãe

Guerra Junqeiro (1877)

Uma

A mãe

Uma wanyai wi la, la wera lu nonoya na bembu, la yika en yu denu tomia. Simben lanshi lera ayun okai. Yu za ireza la huhum, ai tato siwi naibo shai, en ya yunkule ahurul; esto uma mun iyoisa wi eye tunti usin la tomia.

Estava uma mãe muito afflicta, sentada ao pé do berço do seu filho, com medo que lhe morresse. A creancinha pallida tinha os olhos fechados. Respírava com difficuldade, e ás vezes tão profundamente, que parecia gemer; mas a mãe causava ainda mais lastima do que o pequenino moribundo.

Ukwa checheka doki, ai ubu sile naita wi nubo, ototol bo mevan na ugawin. Ata venta. Achi otingo kwambe za mwere ai revo, ai tihum tu shi rautuya.

N'isto bateram á porta, e entrou um pobre homem muito velho, embuçado n'uma manta d'arrieiro. Era no inverno. Lá fóra estava tudo coberto de neve e de gêlo, e o vento cortava como uma navalha.

Ubu sile la pepye chumun iven; simben tonzon tabo sinta si, ai uma mora eno jara ledeo le binso ti api. Unaita nuku janzon simben, ai uma, la tiza raya kwa lo, nura lu yu.

O pobre homem tremia de frio; a creança adormecêra por alguns instantes, e a mãe levantou-se a pôr ao lume uma caneca com cerveja. O velho começou a embalar a creança, e a mãe, pegando n'uma cadeira, sentou-se ao lado d'elle.

Ai la jelon bembu sin semi lo, yu la huhum tato yo za ireza wi tomwi, hiza lele omongo ya leo ai ka unaita:

E contemplando o seu filhinho doente, que respirava cada vez com mais difficuldade, pegou-lhe na mãosinha descarnada e disse para o velho:

“Yoi! Tifa na wanyo nong zachu yu chu wa! Nong iho ya ha?”

--Oh! Nosso Senhor não m'o hade levar! não é verdade?--

Al unaita, yu Imiah, bombo titi za ashi janjang, ihoha la hunyo. Uma lera kukuti pimpi tila vuku, ai yunso sonu shi naya tunu kuku.

E o velho, que era a Morte, meneou a cabeça d'uma maneira extranha, em ar de duvida. A mãe deixou pender a fronte para o chão, e as lagrimas corriam-lhe em fio pela cara.

Yu senju dadaju le titi jum; yu kwi leleng zon tabo anin yem ai manta yem. Yu tonjeleng lonong tonzon, tabo sirio kwa, ai monzon denju pepye chumun iven.

Sentiu-se estonteada com um grande peso de cabeça; estava sem dormir havia tres dias e tres noites. Passou ligeiramente pelo somno, durante um minuto, e despertou sobresaltada a tremer de frio.

“Haya awau?” yu deka, la mune rora yulo yunto jejeng. Membo nonoya. Ubu naita kwi nuchu yu, la minza simben na yu.

--Que é isto! exclamou, lançando á volta de si o olhar hallucinado. O berço estava vasio. O velho tinha-se ido embora, roubando-lhe a creança.

Uma tenyoi nuchi la genu, la donka tos bembu. Yu chele wana yu wera bambosko mwere, wengo za alenyoi.

“Imiah nubo vado na li,” wana ka yu.

A pobre mãe saiu precipitadamente, gritando pelo filho. Encontrou uma mulher sentada no meio da neve, vestida de luto. «A Morte entrou-te em casa, disse-lhe ella.

Yu kwi nuchi gevu la zachu bembu na li. Yu nuvu ge tunti tihum, ai akwa yu minza ya lo, yu tatang depo.”

 Via sair a correr levando teu filho. Anda mais depressa que o vento, e o que ella furta nunca o torna a entregar.»

“Hano yu denu?” uma yoyoi.

“Ka wa lo tos ijuzai na Nam!”

--Por onde foi ella? gritou a mãe. Dize-m'o pelo amor de Deus!»

“Wa jo nuno yu lai,” wana yu wengo sol. “Esto sisi tonto li mukwan, jika wa kuye ajika yo be li kwi jika yanyo bembu na li

--Sei o caminho por onde ella foi, respondeu a mulher vestida de preto. Mas só t'o ensino, se me cantares primeiro todas as canções que cantavas ao teu filho.

Nenyun yanyo ai li le kika luju. Wa Mantah ai tato wi wa wehim li la jika, owende bo yunso.”

São lindas, e tens uma voz harmoniosa. Eu sou a Noite e muitas vezes t'as ouvi cantar, debulhada em lagrimas.

“Denu jika li ayo, ayo, gela,” uma ka. Tau nong munzevi wa, chumun wa keju chele bembu.”

--Cantar-t'as-hei todas, todas, mas logo, disse a mãe. Agora não me demores, porque quero encontrar o meu filho.--

Mantah lara sus. Uma tai, le yunso si, nuku jika.

Yu muhim ajika wi, esto yunso wi tunti kaya.

A Noite ficou silenciosa. A mãe então, desfeita em lagrimas, começou a cantar. Cantou muitas canções, mas as lagrimas foram mais do que as palavras.

La abas lo Mantah ka yu: “Denu zano, tum penyo sol chu vempe. Ya noi en Mantah churu le bembu.”

No fim disse-lhe a Noite: «Toma á direita, pela floresta escura de pinheiros. Foi por ahi que a Morte fugiu com o teu filho.»

Uma gevu denu penyo; esto la ban lo nuno sunu, ai yu nong jo ano tim yu zeno noi. Ku yu lo hupea, lilia tos kokosu, leleng pesho mau afo, chu pele na yanyo lo mwere otonshesa pimpi.

A mãe correu para a floresta; mas no meio dividia-se o caminho, e não sabia que direcção havia de seguir. Diante d'ella havia um mattagal, cheio de silvas, sem folhas nem flores, de cujos ramos pendia a neve cristallisada.

“Nong weyun Imiah yu zachu bembu na wa ha?” uma haka ya.

--Não viste a Morte que levava o meu filho?» perguntou-lhe a mãe.

“Eo weyun,” hupea waika. “Esto wa nong mukwan li nuno, esto za atonto li jansham wa tila mosenyo, chumun venju wa.”

--Vi, respondeu o mattagal, mas não te ensino o caminho, senão com a condição de me aqueceres no teu seio, porque estou gelado.»

Ai uma fauza hupea tila bamba; peyu kumbai bambi, chu ya lo banso sonu.

Esto hupea jango pesho henchu ai pesan, ai jantingo yulo za afo la manta ven wamwa na venta, shai ishansha mishanshi na uma wanyai kwa.

E a mãe estreitou o mattagal contra o coração; os espinhos dilaceraram-lhe o peito, d'onde corria sangue. Mas o mattagal vestiu-se de folhas frescas e verdejantes, e cobriu-se de flores n'uma noite d'inverno frigidissima, tal é o calor febricitante do seio d'uma mãe angustiosa.

Ai hupea munyun yu nuno tim zeno lai. Yu la nuvu, nuvu, deche yu de solu na boso wan, ala mau nong nengira mau nong soni lai.

Achi nong ven yosa en nuvu tum ya, ai ya naibo vivi en tunu ya.

E o mattagal ensinou-lhe o caminho que devia seguir. Foi andando, andando, até que chegou á margem d'um grande lago, onde não havia nem barcos, nem navios. Não estava sufficientemente gelado para se andar por elle, e era demasiadamente profundo para o passar a váo.

Eye, chumun yu keju chele bembu lo, ya tentim tunu ya. La ivivo na ijuzai lo, yu mumbon yulo za kuku vu eno yun en tengi soza aso yo chu boso. Teneng ya, esto jewai lo en Nam, chumun ayoiza, tente ke mun nanto.

Comtudo, querendo encontrar o seu filho, era necessario atravessal-o. No delirio do seu amor, atirou-se de bruços a ver se poderia beber toda a agua do lago. Era impossivel, mas lembrava-se que Deus, por compaixão, faria talvez um milagre.

“Nong lo! Li nong tengi monzavo wa,” boso ka. “Sus lo, ai om mweju. Wa soi weyun songu la vumbe na aso na wa, ai ayun na li le idinshi mwesa tunti songu tempale tio be wa wele yanyo.”

--Não! não és capaz de me esgotar, disse o lago. Socega, e entendamo-nos amigavelmente. Gosto de vêr perolas no fundo das minhas aguas, e os teus olhos são d'um brilho mais suave do que as perolas mais ricas que eu tenho possuido.

“Tonto li keju lo, mimun chubai yanyo chu yuncha chumun ayoyoi, ai wa denu deza li sheshando wamwa, ya la solu yin: sheshando ye dopau Imiah; ukwa yu sai afo ai ape bo lai, uye; afo yo ai ape yo yunga hai.”

Se queres, arranca-os das orbitas á força de chorar, e levar-te-hei á estufa grandiosa, que está do outro lado: essa estufa é a habitação da Morte; e as flores e as arvores que estão lá dentro, é ella quem as cultiva; cada flor e cada arvore é a vida d'uma creatura humana.»

“Hoi! Hashi nong denu pau ha, eno jale bembu wai!” uma ka. Ai tosto yu kwi yoyoi yunso wi shai lo, yoyoi za ivon wi tunti tatang, ai ayun nuchu yuncha ai bon tila vumbe na boso, la sayom yulonyo tom songu sun, shi kimwana be Yula nong kwiku weyun yu.

--Oh! o que não darei eu, para rehaver o meu filho!» disse a mãe. E apesar de ter já chorado tantas lagrimas, chorou com mais amargura do que nunca, e os seus olhos destacaram-se das orbitas e cairam no fundo do lago, transformando-se em duas perolas, como ainda as não teve no mundo uma rainha.

Boso tai ponti yu, ai za anunu gongo jara yu la solu yin, ala audo temwu lai, le inai wi tunti leguah kwa.

O lago então ergueu-a, e com um movimento deondulação depositou-a na outra margem, aonde havia um maravilhoso edificio, com mais d'uma legua de comprido.

Chu inainu lo al nong jo en ya audo sado eom gin le vucha ai penyo. Esto uma tenyoi nong tengi weyun akwa; Kwi pau ayun.

De longe não se sabia se era uma construcção artistica ou uma montanha com grutas e florestas. Mas a pobre mãe não podia ver nada; tinha dado os seus olhos.

“Wu ke waijo Imiah yu pompau bembu chu wa!” yu donka keholeng.

--Como heide eu reconhecer a Morte que me roubou o meu filho!» bradou ella desesperada.

“Imiah nong rata de.” wana naita nen ka yu, yu kwi nuvu chu alu wa denu ayin, la sayun sheshando ai la zia pea. “Hashi li de lau? Hayu mukwan li nuno?”

--A Morte ainda não chegou, respondeu-lhe uma boa velha, que andava d'um lado para o outro, inspeccionando a estufa e cuidando das plantas. Como vieste tu aqui parar? quem te ensinou o caminho?»

“Nam leo wa,” yu waika. “Mwechule Nam. Mwechule tos wa lo, ai ka wa ala bembu na wa lai.”

--Deus auxiliou-me, respondeu ella. Deus é misericordioso. Compadece-te de mim, e dize-me onde está o meu filho.»

“Wa nong wejo yu, ai yunjung li,” unaita ka. “Pea wi ai ape wi lau, yanyo yoira manta wau: Imiah nong zevi lau en zachu yanyo chu sheshando. Tinti li jo, en ula yunga yo vu lau le ape eom afo, yanyo jetan ai yanyo tomia lu yu.

--Eu não o conheço, e tu és cega, disse a velha. Ha aqui muitas plantas e muitas arvores, que murcharam esta noite: a Morte não tarda ahi para as tirar da estufa. Deves saber, que toda a creatura humana tem n'este sitio uma arvore ou uma flor, que representam a sua vida e que morrem com ella.

Yanyo yunkule pea shi ayin kakwa, esto tonto al leche yanyo lo, al denu senju bamba kwa dadai.

Tonto li heno lilo tum yanyo, tente waijo adadai na bamba na bembu na li. Ai haya li pau en wa mukwan li akwa en ya rata tim li jam?”

Parecem plantas como quaesquer outras, mas tocando-lhes, sente-se bater um coração. Guia-te por isto, e talvez reconheças as pulsações do coração de teu filho. E que davas tu por eu te ensinar o que tens ainda de fazer?»

“Lo, yayang wa le en pau ya li,” uma tenyoi ka. “Esto wa ke denu deche alum na Yula eno kele akwa be li soi ya.”

--Já não tenho nada que te dar, disse a pobre mãe. Mas irei até ao fim do mundo buscar o que tu quizeres.

“Chi lau nong tinza yayang,:  unaita waikia. “Pau wa zizi nai sol na li; li jo en nenyun yanyo, ai wa nenju yanyo. Yom lo yanyo zizi lam na wa.”

--«Fóra d'aqui não preciso de nada, respondeu a velha. Dá-me os teus longos cabellos negros; tu sabes que são bellos, e agradam-me. Trocal-os-hei pelos meus cabellos brancos.»

“Nong soi akwa wi tunti aye ha?” uma ka. “Lau li le yanyo, wa pau li yanyo chumun inenke.”

--Não pedes mais nada do que isso? disse a mãe. Ahi os tens, dou-t'os de boa vontade.»

Ai yu mongo zizi wanan, yanyo kwi la ata yin iwenyun na simwana, la pauza yompo zizi fau ai lam kwambe na unaita.

E arrancou os seus magnificos cabellos, que tinham sido outr'ora o seu orgulho de rapariga, recebendo em troca os cabellos curtos e inteiramente brancos da velha.

Uwau hiza lele denu sheshando wan, ala pea pesan la tomwan tiwi.

Esta levou-a pela mão á grande estufa, onde crescia exhuberantemente uma vegetação maravilhosa.

Yunyo vu fankafo chu hentangu chu shesangu ososko lu payongu ozeo ai janjasa. Pea na aso la mau, asiwi yobo tos pebanso, ayin yoira sumbe, ai pevu na yunyo ronda shi nais mweng.

Viam-se debaixo de campanulas de cristal jacinthos mimosissimos ao lado de peonias inchadas e ordinarias. Havia tambem plantas aquaticas, umas cheias de seiva, outras meio murchas, e em cujas raizes se ennovelavam cobras asquerosas.

Kintipe kinshi nainu tunti lai, pel ai royachu wipeshole; zeye ala ochikai yin la ya le sinsayan le zirosho, bemesho, vensho ai pea hupu yin yanyo jetan shimbe na itenza na yunga be yanyo tanshika yanyo.

[8]Mais longe erguiam-se palmeiras soberbas, carvalhos e platanos frondosos; depois n'um outro sitio isolado havia canteiros de salsa, tomilho, ortelã e outras plantas humildes que representavam o genero de utilidade das pessoas que ellas symbolisavam.

Eye hupea wan la bo foshe silu vivi yanyo yunkule hichu; esto yanyo weyun yalonyo afo sin kungileng, bo foshe chu shedu, tila sayan nen tio, orora za zipea, be al zia zahea. Ayo wau jetan ihai na yunga, yunyo la sinta ye laila Yula, chu Chongan deche Kalalitan.

Havia ainda grandes arbustos em vasos demasiadamente estreitos, que pareciam rebentar; mas viam-se tambem floresitas insignificantes, em vasos de porcelana, na melhor terra, circumdadas de musgo, tratadas com esmero delicadissimo. Tudo isso representava a vida dos homens, que a essa hora existiam no mundo, desde a China até à Groenlandia.

Unaita keju munyun yu akwa yo wau, esto uma haka yu rajung en yu deza yu denu ala pea sin lai; yu leche yanyo, leleche yanyo, eno senju yunyo adadai na bamba, ai ze tu kwi leche apol wi chu yanyo lo, yu waijo adadai na bambe na bembu.

A velha queria mostrar-lhe todas estas cousas mysteriosas, mas a mãe impacientada pediu-lhe que a levasse ao sitio onde estavam as plantas pequeninas; tacteava-as, apalpava-as, para lhes sentir o bater do coração, e, depois de ter tocado em milhares d'ellas, reconheceu as pulsações do coração do seu filho.

“Yu uwau!” yu donka, la mune lele denu vunjingu kwa, yu, la pimpi ti vuku, yunkule sinyusa kwambe.

--É elle!» exclamou, lançando a mão a um açafroeiro, que, pendido sobre a terra, parecia completamente estiolado.

“Nong leche ya,” unaita ka. “Ala vu lau; ai tonto Imiah de lo, nong denu zevi, tusunka pea wau en ya tonuku; ke zenke en kukumbai afo yo yanyo lau. Imiah denu yika, chumun tim yu toka yulo ku Nam. Ameng be al tengi chubai leleng atuska na Yu.

--Não lhe toques, disse a velha. Fica n'este sitio; e quando a Morte vier, que não tarda, prohibe-lhe que arranque esta planta; ameaça-a de arrancar todas as flores que estão aqui. A Morte terá medo, porque tem de dar conta d'ellas a Deus. Nenhuma póde ser arrancada sem o seu consentimento.»

Tau yu senju tihum revole, ai uma sinje en uye Imiah, yu kwi faunu.

N'isto sentiu-se um vento glacial, e a mãe adivinhou que era a Morte, que se approximava.

“Hashi uwau lu nuno?” yu haka Imiah. “De lo eye ku wa!”

“Hashi li janten…”

“Wa uma,” yu waika.

[9]--Como é què deste com o caminho? perguntou-lhe a Morte. Chegar ainda primeiro do que eu!

Como o conseguiste?--«Sou mãe» respondeu ella.

Ai Imiah janai lele deche vunjingu sin.

E a Morte estendeu a sua mão ganchosa para o pequenino açafroeiro.

Esto uma javan rusa yu za lele sun yo, la zahea nong jambaisa akwa chu fosho sin.

Tai Imiah huncho nubo lebo, la jam yanyo bon haileng. Ahum na Imiah ven tunti tihum ven na venta.

Mas a mãe protegia-o violentamente com ambas as mãos, tendo o cuidado de não ferir uma só das pequeninas petalas.

Então a Morte soprou-lhe nas mãos, fazendo-lh'as cair inanimadas. O halito da Morte era mais frio do que os ventos enregelados do inverno.

“Nong tengi jam akwa tos wa!” Imiah ka. “Esto Nam le ikoi wi tunti li,” uma waika. “Ya iho, esto wa nong jam akwa chito akwa yu munu wa jam ya. Wa upetu na yu. Pea, ape ai hupea yo wau, eta yanyo tonuku yoira lo, wa laintu yanyo la lula yin, akwa chu yanyo lula wamwa na Nenen. Yanyo lanyo ojong; yuyung jo akwa ya to lai.”

--Não pódes nada comigo!» disse a Morte.--Mas Deus tem mais força do que tu, respondeu a mãe.»--«É verdade, mas eu não faço senão aquillo que elle manda. Sou o seu jardineiro. Todas estas plantas, arvores e arbustos, quando começam a murchar, transplanto-as para outros jardins, um dos quaes é o grande jardim do Paraizo. São regiões desconhecidas; ninguém sabe o que se lá passa.»

“Amwechu! Amwechu!” uma chochoyoi. “Nong minza bembu na wa, la ata wa chauku chele yu tai!”

Yu soika ai hurul. Imiah lara julung; tai yu geza geta afo nenyun wamwa sun ai ka Imiah: “Li mun wa keholeng, esto yun lo, wa denu nuku, kukumbai nong sisi awau, esto afo yo yanyo lau!”

--Misericordia! misericordia! soluçou a mãe. Não me roubem o meu filho, agora que acabo de o encontrar!» Supplicava e gemia. A Morte conservava-se impassivel; agarrou então instantaneamente em duas flores lindissimas e disse á Morte: «Tu despresas-me, mas olha, vou arrancar, despedaçar não só esta, mas todas as flores que estão aqui!

“Nong nuku, nong leche yanyo,” Imiah donka. “Li ka en minishi li, ai keju denu chu bamba na uma yin!”

“Uma yin ha?” wana tenyoi ka, la mumbon geta afo.

--Não as arranques, não as mates, bradou a Morte. Dizes que és desgraçada, e querias ir partir o coração de outra mãe!--

«Outra mãe!» disse a pobre mulher, largando as flores immediatamente.

“Za lo, lau ayun na li,” Imiah ka. “Yunyo dindi memwe shai en wa zachu yanyo chu boso. Nong jo en yanyo ana lo. Jambo yuncha yanyo, ai yun vumbe na sochu wau; denu yun akwa li ke jambayo tonto li kukumbai afo wau.

--Toma, aqui tens os teus olhos, disse a Morte. Brilhavam tão suavemente que os tirei do lago. Não sabia que eram teus. Mette-os nas orbitas, e olha para o fundo d'este poço; vê o que ias destruir, se arrancasses estas flores.

Denu yun tum awaino na aso, shi nanto kwa, nenis tenonis tos afo yo wau, ai aye bembu ke le, tonto yu hai tente.”

Verás passar nos reflexos da agua, como n'uma miragem, a sorte destinada a cada uma d'essas duas flores, e a que teria tido o teu filho, se porventura vivesse.»

Yu timoi faucha, ai weyun tan yanyo lutum na inyeka ai inyele, ai aski le ahauka ai iwanshu, ai gela zeye tanumbe na minyaiza waming, na iwanyai ai ibaichu.

Debruçou-se no poço, e viu passar imagens de felicidade e alegria, quadros risonhos e deliciosos, e logo depois scenas terriveis de miseria, d'angustias e de desolação.

“Awau be wa weyun,” uma ka oponju wamwa. “Nong sain akwa ya nenishi en Nam pau nonis ye bembu na wa.”

--N'isto que eu vejo, disse a mãe afflictissima, não distingo qual era a sorte que Deus destinava ao meu filho.»

“Wa nong tengu ka li ya,” Imiah waika. “Esto wa ka wai li, bo ayo wau ya tonyun ku li akwa ya tim to tos bembu na li.”

--Não posso dizer-t'o, respondeu a Morte. Mas repito-te, em tudo isto que te appareceu viste o que no mundo havia de succeder ao teu filho.»

Uma keholeng mumbon yulo tila vupil la donka: “Soika li, ka lo wa: ya nis minishi be al kubora ya yu? Nong iho! Ka lo! Nong waika wa ha? Yoi! Tonto ihoha la lo, zachu yu, zachu lo yu, yu nong denu yaiza minis tenwanyi shai.

A mãe desvairada, lançou-se de joelhos exclamando: Supplico-te, dize-me: era a sorte infeliz a que lhe estava reservada? Não é verdade! Falla! Não me respondes? Oh! na duvida, leva-o, leva-o, não vá elle soffrer desgraças tão horriveis.

Bembu zai! Yu be keju wi tunti ihai na walo. Om ikuyi denu tos wa. Zachu yu nubo kiman na Nenen. Monjo yunso na wa, asoika na wa, monjo lo ayo wa kwi jam ya ai wa ka ya.”

O meu querido filho! Quero-lho mais que á minha vida. As angustias que sejam para mim. Leva-o para o reino dos ceos. Esquece as minhas lagrimas, as minhas supplicas, esquece tudo o que fiz e tudo o que disse.»

“Nong jebo li,” Imiah waika. “Keju en li rezia bembu eom en deza yu denu lanyo ojong tos lai wa nong tengi toka li!”

--Não te comprehendo, respondeu a Morte: Queres que te entregue o teu filho ou que o leve para a região desconhecida de que não posso fallar-te!»

Tai uma la tokonza, la dedense, la ronda lele, nura tila vupil ai la kapau Nam yu donka:

“Nong him wa, hea Tifa, tonto wa woika la vumbe na bamba fe akeju na li ya tayo nempu! Nong waika wa Nam na wa!”

Então a mãe allucinada, convulsa, torcendo os braços, deitou-se de joelhos e dirigindo-se [11]a Deus exclamou: «Não me ouças, Senhor, se reclamo no fundo do meu coração contra a tua vontade que é sempre justa! Não me attendas meu Deus!»

Ai yu tuska titi bon tila bembi, owende bo iwanyai bidabai.

E deixou cair a cabeça sobre o peito, mergulhada na sua agonia dilacerante.

Ai Imiah geza vunjingu sin, ai laintu ya nubo lula na Nenan.

E a Morte arrancou o pequenino açafroeiro, e foi transplantal-o no jardim do paraiso.