Livro - Educação livre e criativa

Um livro para pais, mães e educadores aprenderem a desaprender a educação para permitirmos às crianças aprenderem de forma criativa, divertida e livre.

Há uma máxima popular que diz que todo homem deve plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho.

Tenho vários blogs e escrevo para muitos portais. Creio que já tenho conteúdo para vários livros. Tentei começar a escrever alguns, mas não terminei.

Creio que o motivo é o fato de não ter encontrado o meu caminho e o que eu realmente tenho paixão para fazer o resto da vida. Como uma ideia que temos “de repente” e é fruto de anos de estudos e experiência ou um fruto maduro que cai de uma árvore, o tema para o meu livro também veio “de repente” e será sobre EDUCAÇÃO.

Se você é pai, mãe, professor, educador ou é apaixonado por educação e acredita que somente através de uma grande transformação na educação conseguiremos criar o Brasil e o mundo que queremos para nossas crianças, este livro é para VOCÊ.

Até 2013, eu era um pai como a imensa maioria. Acreditava que conseguir pagar uma “boa escola” particular era o melhor caminho para educação dos meus filhos. Acreditava que o vestibular e faculdade são o caminho para garantia de uma boa vida.

Um dia, estava preparando o café da manhã e vi um post no Facebook sobre a Escola com Asas que me chamou a atenção. Acessei o site www.EscolacomAsas.com e vi um vídeo do Biel Baun que com 10 anos estava palestrante no TEDx falando sobre seu sonho de ajudar as crianças do mundo através de alimentação saudável e descobri que ele já era um chef de cozinha. Aprendi existe uma outra forma de educar as crianças e jovens fora das escolas que é a desescolarização.

A idealizadora da Escola com Asas é a Sabrina de Campos, mãe do Biel, sonhadora e empreendedora. Ela faz uma simples pergunta que nos provoca uma grande reflexão:

Qual é o talento que você quer oferecer para o mundo?

Este foi o início de uma grande jornada que apenas começou e que me levou a ser o vencedor do evento Edu4.me 2015 de projetos inovadores em educação com a KonfideGeeks.com.br - Escola online de programação e robótica.

A escola tradicional baseada em conteúdo faliu e, infelizmente, como um transatlântico que não consegue mudar de rumo com agilidade, a indústria do ensino continua com poucas mudanças. Estudando um pouco sobre a origem das escolas, você

Em um evento que organizei com a participação especial do José Pacheco que idealizou a Escola da Ponte em Portugal há mais de 40 anos, ele explicou os motivos de vir morar no Brasil. Ele acredita que aqui existem centenas de projetos de educação incríveis e inovadores.

O documentário “Quando sinto que já sei” foi um marco, pois descobri diversas escolas onde a educação acontece de uma forma livre e divertida. Conheci pessoalmente o Projeto Âncora e  a Escola Amorim Lima, e percebi como é importante divulgar iniciativas como essas para inspirar outras pessoas.

Quanto sinto que já sei - Organizações e pessoas


Pessoas e projetos

Manifesto sobre futuros desejáveis

Gostaria de contar uma história para nortear o livro.

O João é um menino de 6 anos e tem um irmão mais velho – Roberto – de 13 anos. Eles moram com seus pais em uma casa que faz parte de uma pequena vila formada por mais algumas casas. As famílias forma uma comunidade com valores compartilhados e com atividades colaborativas. Uma casa maior possui a infraestrutura compartilhada com uma ampla cozinha, sala de jantar, lavanderia, biblioteca, sala de ginástica, oficina de artes e espaço de lazer, tudo coletivo.

O João e o Roberto não frequentam a escola, pois aprendem e estudam em uma escola livre onde o aprendizado acontece sem o modelo rígido da escola tradicional. Educadores facilitam o aprendizado e auxiliam no caminho de aprendizado de cada aluno. O objetivo final do estudo não é o vestibular, mas aprender de forma independente e na busca por TALENTOS PESSOAIS. Algumas crianças frequentam escola tradicional, mas participam da escola livre no outro período. Esta escola recebe crianças que não moram na vila, gerando renda para a comunidade.

Jovens na idade de fazer faculdade não são obrigados a prestar vestibular, eles são estimulados a serem empreendedores e atuarem de forma ativa para gerar renda com trabalhos em projetos com mentores.

Há um espaço de coworking para as pessoas que trabalham como profissionais liberais ou que possuem seu próprio negócio. Este espaço pode receber pessoas que não moram no vila e há uma metodologia de colaboração financeira para tornar o coworking um espaço sustentável e lucrativo.

Carros, bicicletas, equipamentos como furadeiras e outras ferramentas são compartilhados. Uma horta comunitária produz grande parte dos alimentos consumidos na comunidade. As refeições são organizadas de maneira colaborativa e em escalas, com isso as pessoas otimizam o tempo. Quem trabalha em empresas e não pode contribuir com TEMPO, faz a contribuição financeira adicional para contratação de uma pessoa responsável pela cozinha.

As compras são realizadas de forma coletiva, gerando uma grande economia para todos.

Um dos principais valores desta comunidade é a CONFIANÇA. O cuidado com as crianças é uma responsabilidade de TODOS e não apenas dos pais de forma individual. As pessoas idosas, por terem mais tempo, ajudam a cuidar das crianças pequenas.

João e Roberto tem amigos que AINDA estudam da forma “tradicional”. Não entendem porque tem tantos brinquedos de plástico e videogames, pois eles preferem fazer seus brinquedos ou brincar em atividades ao ar livre. Também não entendem porque os pais de seus amigos gostam tanto de shopping centers. Quando recebem estes amigos, eles ouvem os pais dos seus amigos falarem:

“Puxa, que lugar incrível vocês moram. Olha que legal, as crianças brincam no gramado e com brincadeiras antigas que a gente brincava na nossa época. Seria tão bom que nossos filhos brincassem menos de videogames…”

#Cohousing #Cocriação #EconomiaCriativa #EconomiaCompartilhada #EconomiaColaborativa #Reciprocidade #Desescolarização #Ecovilas #Reciprocidade


Ideias para capítulos


Repensando as escolas

Sou fã do Calvin & Haroldo que é a história de um menino (Calvin) e seu tigre (Haroldo). Calvin é um menino de 6 anos que tem como melhor amigo o seu tigre de pelúcia. O genial é que quando o Calvin está sozinho com o Haroldo, ele é um tigre de verdade. Porém, na presença de outras pessoas, o Haroldo se torna um tigre de pelúcia.

Nesta tira, Calvin comenta que está tomando remédios para diminuir sua hiperatividade e ele recusa ir brincar com o Haroldo. O resulado é um Calvin “obediente” fazendo a lição de casa.

“Os melhores quadrinhos expõem a natureza humana e nos ajudam a rir da nossa própria estupidez e hipocrisia. Eles se permitem exagero e absurdos, ajudando-nos a ver com outros olhos o mundo e recordando-nos de como é importante brincar e ser ridículo. Quadrinhos retratam os eventos comuns e mundanos da nossa vida e nos ajudam a lembrar da importância de pequenos momentos. Astutamente, eles resumem os nossos pensamentos e expressões não exprimidos. Às vezes, eles mostram o mundo da perspectiva de crianças e animais, encorajando-nos a ser inocentes por um momento.”

Bill Watterson

Fonte:

http://depositodocalvin.blogspot.com.br/2009/04/biografia-de-bill-watterson.html 

A escola é uma das instituições mais sólidas no mundo atual e, assim como a igreja, qualquer mudança exige um grande esforço.

Atualmente, o modelo de conteúdo e aulas padronizadas estão sendo questionadas. Basta imaginarmos uma pessoa que tenha sido congelada durante 50 anos e acorde nos dias de hoje. Se ela fosse um médico e entrasse em uma sala de cirurgia não saberia o que fazer, se fosse um professor e entrasse em uma sala de aula poderia começar a dar aula e não perceberia grandes mudanças.

Ivan Illich foi um dos pensadores mais radicais no campo da Pedagogia. A grande provocação que ele deixou para a humanidade foi o seu livro chamado Sociedade sem Escolas, publicado em 1971. Esse livro aponta problemas muito incômodos sobre a indústria das escolas e sobre as intenções ocultas que sustentam parte do discurso que aparentemente valoriza a educação.”


Capítulos colaborativos


Elly Britto - Ecovila Tao das Artes

Estudiosa do I Ching, Escritora, Instrutora de Alquimia Interna Taoista

credenciada na Tailândia pela Organização Internacional Healing Tao

Mãe de três filhos adultos e maravilhosos.

“Nossos filhos não são nossos filhos e sim, a ânsia da vida por ela mesma” Kalil Gibran

Nunca se falou e se pesquisou tanto sobre educação quanto nesta época, porém nunca se viu tantos pais com problemas com filhos como agora. Algo deve estar errado. Vamos conversar sobre isto e descobrir porque estamos falhando.

Falar sobre educação é falar sobre quem esta educando porque ninguém consegue educar bem, sem ter sido primeiro educado. Neste ponto começam os problemas. O que na verdade é ser educado? O que é educação?

A estrutura humana é complexa. Somos um ser múltiplo, existe em nós um ser social, o ser familiar e o ser individual e único. Por sua vez este ser único, é composto de um ser físico (o corpo), um ser emocional, mental e espiritual. Qualquer educação para ser completa precisa informar, dar instrumentos para que a criança possa interagir bem em todos estes níveis. Os pais que planejam ter um filho, infelizmente, foram educados dentro de princípios que quase sempre só levam em conta um destes itens citados e quase nunca todos.

O ser social e o ser familiar formam uma rede. As famílias são as depositarias dos valores sociais, é dentro da família que recebemos as primeiras lições da educação social. O I Ching, o livro mais antigo do mundo, o livro de sabedoria chinesa, informa que aprendemos a nos relacionar com qualquer autoridade na nossa relação familiar com os pais, e com nossos irmãos aprendemos a nos relacionar com os amigos. Se na família o pai não é verdadeiramente pai, e a mãe não é verdadeiramente mãe, o ser perde a base educacional, e isto afetará a relação com os irmãos e em conseqüência disto toda a educação social estará comprometida. Isto significa que se a família falha em dar o exemplo, resta a sociedade o papel de consertar o que foi deteriorado, mas esta criança jamais aceitará esta autoridade social. Cria-se um circulo vicioso, porque: as famílias são a depositária dos valores sociais, mas são também educadas dentro dos valores que a sociedade apoia e preserva. Se estes valores são falsos e distanciados dos valores da vida, a condição se perpetua, e este circulo vicioso permanece por várias gerações, até que um membro deste clã, quebre os padrões de crenças que configuram esta família.

Poderíamos traçar um histórico de uma civilização pelos valores que seus componentes aceitam e preservam dentro das famílias. Se nos basearmos neste quadro para julgarmos esta civilização, poderemos dizer que se não mudarmos os nossos valores pessoais urgentemente, já somos uma civilização que morre. Basta assistir os noticiários do mundo, (não só os brasileiros) para perceber claramente isto. O homem sem qualidade que preza valores falsos e destrutivos já é maioria em qualquer sociedade urbana do mundo.

Como podemos educar se não fomos educados adequadamente? A resposta é simples, procure meios de se educar, procure quebrar o jugo das crenças internas que recebeu como herança e crie crenças mais saudáveis, e mais de acordo com a vida e o natural dentro de você. Se achar que não tem mais tempo e que não quer se empenhar em mudar, pelo menos dê a seus filhos a chance de mudar o destino que você esta configurando para eles.

Mudar crenças é mudar hábitos, é aprender sobre nós mesmos, sobre o corpo, sobre como as emoções movem a vida. As boas como o amor, a bondade, a sabedoria, a coragem e o equilíbrio nos movem em direção a uma vida plena, as ruins como o cansaço, a depressão, o medo, a preocupação, o desequilíbrio, a irritação e a falta de amor em direção a uma vida sem objetivo e sem alegria. E o mais importante; como transformar as negativas em positivas e tornar sua energia utilizável. Emoção é energia e energia não se destrói, energia se transforma.

Não adianta culpar o mundo lá fora quando um filho apresenta um problema. Dizer que são as amizades, que a criança tem uma índole má, só vai criar mais dificuldades para encararmos o problema e resolver. Uma atitude corajosa, assumir a responsabilidade e caminhar em direção a uma solução, seria a única forma saudável de se lidar com o problema.

Nossos jovens precisam conhecer o seu potencial e tudo aquilo que não lhes foi ensinado; como lidar com as próprias emoções, como fortalecer o corpo, como usar a mente com sabedoria, como criar seu próprio bem estar interno sem precisar de drogas ou de qualquer outro estimulo externo, e como se relacionar com o mundo (fora) sem se deixar abater ou influenciar. Isto com certeza vai resolver. As estatísticas mostram que quando os adultos oferecem aos jovens oportunidades de expressar seus potenciais criativos, desaparece o problema.

A China mais uma vez pode nos ajudar nisto. A Alquimia Interna Taoista pode ajudar os jovens a se educarem. Não é religião, não é esoterismo e não usa nenhum sistema de crenças, é uma ciência chinesa desenvolvida e testada por milhares de anos por sábios que se deram ao trabalho de entrar dentro de si e mapear o fluxo das energias. Criaram com isto todo um grupo de ciências, entre elas, a acupuntura, a Medicina Tradicional Chinesa o Chi Kung e o Tai Chi Chuan. A Alquimia Interna é a base cientifica de todas estas ciências derivadas. Estas técnicas foram sistematizadas em uma linguagem ocidental por Mantak Chia, escritor de mais de 20 livros. Estas técnicas podem realmente nos educar em todos os níveis de nosso ser. São exercícios simples de conscientização dos processos de nosso corpo: físico, emocional e mental.

Os jovens podem aprender com estas técnicas a voltar para o natural dentro de si, a se conhecer, a identificar as emoções e a saber como transforma-las. E mais, a fortalecer sua vitalidade, seu corpo e mente, a usar sua sexualidade com responsabilidade, harmonia e beleza para multiplicar suas energias. Com isto vão poder gerar um imenso bem estar interno, a tomar decisões com sabedoria. Um ser pleno é um ser que sabe utilizar seus potenciais e recursos, para superar os limites impostos pela civilização e pela cultura, e cumprir o destino natural para o qual o homem foi criado; um profundo amor e alegria de viver.

Eduque-se aceite seu filho como ele é, ou deixe seu filho se educar, esta é a única forma de evitar os problemas que preocupam os pais. Esta seria a maior riqueza que os pais podem deixar como herança para seus filhos. Aprenda que a melhor maneira de educar é pelo exemplo, é se educando em todos os níveis citados neste texto.

INTERTAO

INSTITUTO DE PRÁTICAS TAOISTAS

ECOVILA TAO DAS ARTES,

ITAMONTE - MG

ELY@HEALING-TAO.COM.BR

TELEFONE: (35) 991 417 383


Artigos de educação do Marcio Okabe